STCP aumenta capital em 30 milhões

O aumento de capital social foi feito através da emissão de 6.056.507 novas ações com valor nominal unitário de cinco euros.

A STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto comunicou, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter aumentado o capital social em cerca de 30,2 milhões de euros, através da emissão de seis milhões de ações, todas subscritas pelo accionista único, o Estado.

“A STCP vem nos termos do Regulamento da CMVM n.º 5/2008 informar que por deliberação do Estado Português, na qualidade de acionista único da STCP, foi aumentado o capital social no montante de 30.282.535 euros”, refere o comunicado enviado ao mercado.

Diz ainda o documento que esse aumento foi feito“através da emissão de 6.056.507 novas ações com valor nominal unitário de cinco euros cada, subscritas pelo seu acionista”.

Deste modo o capital social da STCP fixou-se em 115,8 milhões de euros, representado por mais de 23,157 milhões de ações “em forma meramente escritural com valor unitário de cinco euros”.

A empresa que gere os transportes do Porto também viu a concessão a privados revertida pelo actual Governo.

António Costa deverá, no início do ano, passar a gestão desta transportadora também para a autarquia, à semelhança do que fez com a Carris, que passou a ser gerida pela Câmara de Lisboa.

Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários