Subida das taxas aeroportuárias resulta de “grande negócio para os privados”, acusa Governo

A propósito da subida das taxas aeroportuárias, o Secretário de Estado das Infraestruturas atribui o aumento à privatização da ANA – Aeroportos de Portugal realizada pelo governo anterior.

“Aquela que foi apresentada como uma privatização de sucesso resultou, na realidade, num grande negócio para os privados”, afirmou o secretário de Estado numa posição escrita enviada à Lusa.

Esta tomada de posição do membro do executivo surge no dia em que a gestora aeroportuária revelou o novo tarifária para 2017, que prevê um aumento das taxas aeroportuárias em 22 cêntimos por passageiro no aeroporto de Lisboa e em 15 cêntimos no aeroporto de Faro, sendo estas as subidas mais significativas na rede de aeroportos nacionais geridos pela ANA.

“Este é o resultado da concessão realizada pelo governo anterior, que resultou num excelente negócio para os privados”, insiste o membro do executivo, assegurando que “o Estado acompanha de perto todos os aspetos contratuais a que os privados estão legalmente obrigados”.

Nesse sentido, “estamos atentos e interviremos se de alguma forma as obrigações contratuais forem postas em causa”, garante Guilherme W. d’Oliveira Martins.

O secretário de Estado frisa que a “renegociação é uma visão um tanto ingénua” e que “estamos perante um contrato assinado, para muitas décadas, entre o Estado e os privados”, sendo que estes últimos “não abdicam dos direitos que adquiriram”.

Recomendadas

Famílias e empresas deverão sentir aumento dos juros no primeiro semestre de 2023

Previsão da Allianz Trade aponta também que os critérios para a atribuição de crédito às famílias e empresas já estão a ter um maior impacto no último trimestre deste ano.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Foram criadas quase tantas empresas este ano como em 2019

Os primeiros 11 meses de 2022 ficaram marcados por um crescimento do número de novas empresas e por um recuo das insolvências. Isto apesar da incerteza e da subida dos custos, que acabou por ser agravada pela guerra na Ucrânia.
Comentários