Suécia: Bancários substituídos por robôs não vão ficar desempregados, garante regulador

“O desemprego é muito baixo na Suécia, o setor financeiro está a crescer, a economia é forte”, argumenta o vice-diretor geral da Autoridade de Supervisão Financeira da Suécia, Martin Noreus,

O regulador financeiro da Suécia afirma que a indústria financeira do país está a crescer a um ritmo rápido o suficiente para garantir que os milhares de executivos e de bancários que vão ser substituídos por robôs ainda sejam necessários.

“O desemprego é muito baixo na Suécia, o setor financeiro está a crescer, a economia é forte”, disse o vice-diretor geral da Autoridade de Supervisão Financeira da Suécia, Martin Noreus, numa entrevista à Bloomberg. Segundo explicou à agência, em declarações proferidas em Estocolmo, a maioria dos trabalhadores dos bancos afetados não terá dificuldade em encontrar novos postos de trabalho no setor financeiro.

“Tem de aceitar que às vezes as empresas precisam de se reorganizar e reestruturar, de se adaptar ao desenvolvimento tecnológico e isso levará a mudanças e, é claro, deve-se estar ciente de que isso pode ser muito doloroso para as empresas e os funcionários. Porém, é uma consequência natural do desenvolvimento económico”, justificou o responsável do regulador.

De acordo com um estudo da consultora Oliver Wyman, divulgado no início do mês passado, entre 2011 e 2016, verificou-se uma redução significativa do número de agências (-21%) e de colaboradores (-20%) nos bancos portugueses.

Segundo as estimativas da empresa, 30% dos bancos estão focados em medidas “tradicionais” de redução de custos, como por exemplo a reorganização e a redução de postos de trabalho equivalentes a tempo inteiro, 40% estão empenhados na reengenharia digital e outros 30% optam por seguir os dois caminhos.

No ano passado, cerca de dois mil trabalhadores saíram dos cinco principais bancos a operar em Portugal, nomeadamente a Caixa Geral de Depósitos, o BCP, o Santander Totta, o Novo Banco e o BPI, quase o dobro dos cortes de postos de trabalho feitos em 2015.

Relacionadas

Paulo Macedo: “Os ‘millennials’ dizem que preferem ir ao dentista do que ao banco”

O CEO da Caixa Geral de Depósitos afirmou que a banca portuguesa tem de acelerar o passo no percurso da digitalização. Salientou ainda que a robótica tem um papel muito importante na evolução da eficiência no setor.

Inteligência artificial: Perigos e oportunidades de uma tendência inevitável

Cada vez mais disseminada pelas empresas, que veem nela uma possibilidade de aumentar a eficiência e diminuir custos, a inteligência artificial é um recurso que cria grandes oportunidades, mas pode encerrar grandes perigos.
Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários