Super Bock e Refriango fazem parceria para regresso da cerveja portuguesa a Angola

O acordo marca o regresso a Angola das duas marcas do grupo Super Bock, que chegou a exportar mais de 100 milhões de litros por ano para o país africano e tinha a intenção de construir uma fábrica de cerveja, projeto que abandonou em 2019, invocando as vendas residuais no mercado.

A angolana Refriango e o Super Bock Group fecharam uma parceria para o regresso das marcas Super Bock e Cristal ao mercado angolano, prevendo um investimento inicial de 5 milhões de dólares (4,3 milhões de euros) na produção das cervejas.

Em declarações aos jornalistas, à margem do anúncio da parceria, em Luanda, o presidente executivo da Refriango, Diogo Caldas, afirmou que o objetivo é atingir uma quota de 5% e uma produção de cerca de 30 milhões de litros em dois ou três anos.

O acordo marca o regresso a Angola das duas marcas do grupo Super Bock, que chegou a exportar mais de 100 milhões de litros por ano para o país africano e tinha a intenção de construir uma fábrica de cerveja, projeto que abandonou em 2019, invocando as vendas residuais no mercado devido à crise financeira e económica no país.

Manuel Violas, ‘chairman’ do Super Bock Group e líder da Violas SGPS, adiantou que “este é o momento perfeito” e “faz todo o sentido” reentrar agora em Angola, depois de encontrar um parceiro “com capacidade e vontade de levar o projeto em frente”, que permitiu ultrapassar o insucesso inicial.

O responsável do Super Bock Group admite que será “bem mais dificl” nas atuais circunstâncias atingir os 140 milhões de litros de cerveja portuguesa que eram exportados para Angola em 2009, mas mostrou-se confiante na parceria com a Refriango.

Diogo Caldas salientou o peso da categoria de cervejas na Refriango – que produz também a marca Tigra – e explicou que o investimento inicial envolve, além do licenciamento, aquisição de vasilhame, grades e garrafas de vidro entre outros equipamentos para produzir as cervejas.

As cervejas Super Bock e Cristal destinam-se a um segmento premium e deverão ter um preço ligeiramente acima do custo médio da cerveja angolana (125 a 150 kwanzas, ou seja, 18 a 21 cêntimos).

Recomendadas

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada defende ajuda pública dependente da fiabilidade judicial

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, defendeu hoje junto do Governo português que a ajuda pública ao desenvolvimento deve depender da idoneidade do sistema judicial.

São Tomé/Eleições: Transferência de votos “seria uma fraude eleitoral”, diz Bacelar Gouveia

O constitucionalista Jorge Bacelar Gouveia defendeu hoje que a transferência de votos em partidos que não elegeram nenhum deputado para outros que elegeram deputados, como pretendem três forças políticas em São Tomé e Príncipe, “seria uma fraude eleitoral”.

São Tomé/Eleições: Tribunal Constitucional rejeita coligação pós-eleitoral

Os juízes do Tribunal Constitucional (TC) são-tomense rejeitaram hoje uma coligação entre o movimento Basta e os partidos UDD e MDFM/UL após as legislativas, com o presidente do tribunal a sublinhar a “manifesta ilegalidade e inconstitucionalidade” desta pretensão.
Comentários