Super iate do segundo homem mais rico da Rússia foge para águas seguras

O Pacific do milionário russo Leonid Mikhelson atracou no porto de Marmaris, no sul da Turquia depois de uma viagem de quase um mês.

Depois de não transmitir a localização por quase duas semanas, um super iate de luxo de 150 milhões de dólares que pertence ao milionário russo Leonid Mikhelson reapareceu novamente pelas Bahamas e Barcelona – locais que o colocariam em risco de apreensão.

No entanto, diz a Bloomberg, que o destino final foi um porto seguro procurado por muitos outros navios de magnatas que enfrentam sanções: a Turquia. O Pacific atracou na quinta-feira no porto de Marmaris, no sul do país depois de uma viagem de quase um mês que levou mais de 11 mil quilómetros.

A viagem do Pacific, que navegou por quase metade da viagem sem o sistema de identificação automática ativado conforme exigido pelo direito marítimo internacional, mostra as medidas arriscadas que a tripulação dessas embarcações multimilionárias está disposta a tomar para alcançar águas seguras.

Até ao momento os EUA, Itália e outros governos europeus apreenderam mais de uma dúzia de iates no valor de mais de 2,3 mil milhões para punir magnatas russos próximos ao presidente Vladimir Putin pela invasão da Ucrânia.

A Turquia tem sido o destino preferido de super iates ligados a oligarcas e magnatas russos que enfrentam escrutínio, já que os países procuram intensificar as sanções à Rússia.

No início de maio foi a vez do Titan de 100 milhões de dólares do bilionário do aço Alexander Abramov ter atravessado o Canal de Suez. O Eclipse, ligado ao ex-proprietário do clube de futebol do Chelsea, Roman Abramovich, está nas águas do sul da Turquia, enquanto o My Solaris, outro mega iate de Abramovich, está ancorado na costa sudoeste do país.

“Esses iates são uma fonte de orgulho e prestígio para os proprietários”, disse Benjamin Maltby , sócio da Keystone Law, com sede em Londres, especializada em lei de super iates. “Não há absolutamente nenhuma maneira de eles os entregarem”, assegura Maltby.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários