Superavit comercial do Japão recua 22% em novembro

As exportações japonesas cresceram 16,2% em termos anuais homólogos até aos 6,92 biliões de ienes (52.245 milhões de euros), enquanto as importações aumentaram 17,2%, atingindo em novembro 6,8 biliões de ienes (51.385 milhões de euros).

A balança comercial do Japão registou em novembro um superavit de 113.357 milhões de ienes (855 milhões de euros), menos 22% do que em igual mês do ano passado, indicou hoje o Ministério das Finanças nipónico.

As exportações japonesas cresceram 16,2% em termos anuais homólogos até aos 6,92 biliões de ienes (52.245 milhões de euros), enquanto as importações aumentaram 17,2%, atingindo em novembro 6,8 biliões de ienes (51.385 milhões de euros).

Segundo os dados divulgados pelo Ministério das Finanças, o défice comercial do Japão com o seu principal parceiro comercial, a China, aumentou 11,8% em novembro, ascendendo a 430.979 milhões de ienes (3.253 milhões de euros).

Com o segundo parceiro comercial, os Estados Unidos, o Japão registou um saldo positivo de 660.052 milhões de ienes (4.982 milhões de euros), número que traduz um aumento de 13,7% em termos anuais homólogos.

Já com a União Europeia, terceiro parceiro comercial, o Japão registou um défice de 49.975 milhões de ienes (377 milhões de euros), menos 41,1% face a novembro de 2016.

Com o Brasil teve um saldo negativo de 56.136 milhões de ienes (423 milhões de euros), mais 40% do que em igual período do ano passado.

Relacionadas

Japão vai ter mísseis ar-terra de longo alcance em 2018

O principal objetivo do novo reforço das capacidades militares é dissuadir a Coreia do Norte a abandonar os programas e testes nucleares e de mísseis.
Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários