Suspeito de massacre em bar ‘gay’ nos EUA foi acusado de crime de ódio

O homem suspeito de matar cinco pessoas e ferir várias outras num bar ‘gay’ em Colorado Springs, EUA, no passado sábado, foi acusado de homicídio e de crimes de ódio.

10 – Estados Unidos

Anderson Lee Aldrich, 22 anos, enfrenta cinco acusações de homicídio e cinco acusações de cometer um crime motivado por preconceito que causou lesões corporais, de acordo com registos judiciais hoje conhecidos.

Um oficial de segurança disse que o suspeito usou uma arma semiautomática do estilo AR-15 no ataque de sábado à noite, no Club Q, um bar do Colorado frequentado maioritariamente por homossexuais, mas foram ainda recuperadas uma pistola e munições adicionais.

Embora, no sábado, as autoridades tenham dito que nenhum explosivo tinha sido encontrado, os defensores do controlo de armas interrogam-se por que a polícia não tentou acionar uma medida legal do estado do Colorado que permite às autoridades apreender as armas que a mãe do suspeito disse estarem na posse do filho.

O presidente da Câmara de Colorado Springs, John Suthers, explicou que o procurador encarregado da investigação iria apresentar um pedido em tribunal para permitir que a polícia divulgue mais informações sobre o cadastro do suspeito do ataque de sábado.

Dos 25 feridos no Club Q, pelo menos sete estavam em estado crítico, disseram as autoridades.

Comentando o ataque, o Presidente dos EUA, Joe Biden, lamentou que “a comunidade LGBTQI+ tenha sido submetida a mais um terrível crime de ódio”.

“Lugares que deveriam ser espaços seguros de aceitação e celebração nunca devem ser transformados em lugares de terror e violência”, conclui o Presidente norte-americano.

O tiroteio reacendeu memórias do massacre de 2016 num outro bar ‘gay’, o Pulse, em Orlando, Florida, que matou 49 pessoas.

No passado, o Colorado foi palco de vários massacres, incluindo o do liceu de Columbine, em 1999, um num cinema nos subúrbios de Denver, em 2012, e um num supermercado de Boulder, no ano passado.

O ataque no Club Q foi o sexto massacre este mês nos Estados Unidos, num ano em que morreram 21 pessoas num tiroteio numa escola de Uvalde, Texas.

Nos EUA, desde 2006, houve 523 assassínios em massa e 2.727 mortes, até 19 de novembro, de acordo com a base de dados da Associated Press/USA Today.

Recomendadas

Supremos Tribunais de Justiça lusófonos juntos em São Tomé e Príncipe para debater independência

“O Fórum dos presidentes dos Supremos Tribunais de Justiça dos países e territórios da língua portuguesa é uma efetivação da existência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, a CPLP, pois, a CPLP é muito mais que uma comunidade política, ela deve ter a expressão em todas as áreas de intervenção pública e privada”, declarou o Presidente são-tomense Carlos Vila Nova na abertura do evento.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Ucrânia: Portugal atribuiu mais de 55.000 proteções temporárias a pessoas que fugiram da guerra

Segundo a última atualização feita pelo SEF, desde o início da guerra, a 24 de fevereiro, Portugal concedeu 55.560 proteções temporárias a cidadãos ucranianos e a estrangeiros que residiam na Ucrânia, 32.569 dos quais a mulheres e 22.991 a homens.
Comentários