Sustentabilidade é empregabilidade

Sendo eu da área da economia e gestão, é com gosto que vejo finalmente universidades de economia e gestão a disponibilizarem cadeiras optativas sobre sustentabilidade, a incluírem gradualmente o tema de forma transversal na sua oferta.

Hoje muito se fala em sustentabilidade e ESG. São temas que já se ensinam em algumas Escolas do Ensino Superior, mas ainda estamos longe de uma democratização do tema onde todos têm acesso a este conhecimento.

Há quem afirme que a aprendizagem dos temas da sustentabilidade apenas está a ocorrer por parte daqueles que têm capacidade para pagar pós-graduações, cursos de executivos ou mestrados, o que significa uma elite. Se, em simultâneo, pensarmos que muitos dos empregos do futuro serão “verdes”, então ainda não estamos a capacitar todos os jovens de hoje para os trabalhos do futuro. Apenas quem tem mais posses financeiras. E isso não faz sentido nem é justo.

É por isso bom ver que várias Universidades em Portugal já estão a implementar práticas de sustentabilidade e também cursos sobre estas matérias. Sendo eu da área da economia e gestão, é com gosto que vejo finalmente universidades de economia e gestão a disponibilizarem cadeiras optativas sobre sustentabilidade, a incluírem gradualmente o tema de forma transversal nas cadeiras, a terem uma estratégia de sustentabilidade.

Na realidade existem 11 Escolas do Ensino Superior que aderiram aos Princípios de Educação Responsável das Nações Unidas, assumindo assim compromissos em promover o tema na forma como lecionam e como praticam a sua gestão. Algumas dessas escolas são o ISCTE, a NOVA, a Católica, a Universidade do Minho e o ISEG, entre outras, o que demonstra uma preocupação saudável e crescente em se ensinar a sustentabilidade.

Tendo eu finalizado a licenciatura de economia no ISEG em 1997, e tendo-me afastado da instituição por mais de 20 anos, é bom voltar a trabalhar numa Escola que tem um Master in Management criado com a ambição de responder aos desafios que os 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS) colocam à gestão das organizações; que acolhe os seus novos alunos falando da sua estratégia de sustentabilidade para 2030; que tem um grupo de docentes, funcionários e alunos a dinamizar a implementação dos ODS e que vai lançar o Sustainable Finance Knowledge Center no final de setembro.

Tudo isto resulta de um conjunto de ambições que o ISEG explicita no documento com a sua estratégia de sustentabilidade para 2030, onde se lê que existe a ambição de “Melhorar a gestão empresarial desconstruindo os modelos disciplinares correntes, reconstruindo processos de integração que criam valor social e financeiro em prol de negócios, produtos e serviços sustentáveis…”, reconhecendo que “… os estudantes serão veículos criadores de modelos de negócios ou de organizações sustentáveis”.

Ter uma Escola de Economia, Gestão e Matemática a assumir esta necessidade em “melhorar a gestão empresarial” e em “melhorar o modelo económico, de forma a que este sirva a sociedade permitindo equidade e justiça”, de forma a “contribuir para a sustentabilidade ambiental evoluindo em várias áreas científicas tais como, a economia ambiental e ecológica, a economia circular, a economia regional e local de carácter colaborativo que responda a problemas ambientais globais”, é um sinal significativo da vontade do ISEG em apostar num ensino com mais coração, mais humanismo, mais realista e capaz de formar os jovens para os empregos do futuro.

A oferta de trabalho, a nível internacional, para a área de sustentabilidade, ESG e sustainable finance tem crescido exponencialmente. Em Portugal também existe um aumento da procura de profissionais com estas competências, sendo estes difíceis de encontrar. A regulação vai continuar a crescer e por isso as empresas vão, cada vez mais, precisar de pessoas com conhecimentos sobre sustentabilidade. Há assim a necessidade de democratizar o ensino da sustentabilidade, tornando-o acessível a todos. Quantas mais Escolas tiverem esta abordagem melhor para todos, principalmente para a empregabilidade dos alunos.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários