Svetlana Alexievich é Nobel da Literatura

O Prémio Nobel da Literatura foi atribuído à autora bielorrussa Svetlana Alexievich, “pela sua escrita polifónica, monumento ao sofrimento e à coragem na nossa época”, anunciou esta quinta-feira a Academia Sueca, em Estocolmo. Esta importante distinção literária já foi atribuído 112 vezes, incluindo, em 1998, ao português José Saramago. OJE


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Prémio Nobel da Literatura foi atribuído à autora bielorrussa Svetlana Alexievich, “pela sua escrita polifónica, monumento ao sofrimento e à coragem na nossa época”, anunciou esta quinta-feira a Academia Sueca, em Estocolmo.

Esta importante distinção literária já foi atribuído 112 vezes, incluindo, em 1998, ao português José Saramago.

OJE

Recomendadas

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.