Taiwan proíbe consumo de carne de cão e gato

Taiwan é o primeiro país da Ásia a proibir o consumo de carne de cão e gato. O principal órgão legislativo do país insular da Ásia Oriental aprovou uma emenda histórica relativa à lei da proteção dos animais.

A Agência Central de Notícias do país diz que a emenda sublinha que houve uma transição de uma “sociedade em que a carne de cão é consumida regularmente, para uma sociedade em que muitas pessoas tratam os cães e os gatos, como membros da família”

A lei diz, agora, que quem vender, comprar ou comer carne de caninos ou felinos pode enfrentar pesadas multas entre os 1640 e os 8200 dólares, ou mesmo, ser sujeito a pena de prisão.

As pessoas estão, também, proibidas de passear os animais, acorrentados a um carro ou a uma mota, por ser considerado crueldade animal.

Taiwan duplicou a pena de prisão, por crueldade animal, para dois anos e fixou uma multa de até 65 mil e 500 dólares para qualquer ato que resulte, deliberadamente, em violência, mutilações ou morte de animais.

A carne de cão e gato é consumida em várias partes da Ásia, como seja na Indonésia, Filipinas, Coreia ou China.

A China, em particular, é há muito criticada, por Organizações de defesa dos animais e por celebridades a nível mundial, que levantam a voz contra o festival anual de carne de cão em Yulin, no sul da China, onde mais de 10 mil cães são mortos e servidos como refeição.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Turismo. Hóspedes e dormidas em outubro superam em mais de 5% o registo pré-pandemia

O mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas (-2,7% face ao mesmo mês do ano passado), ao passo que os mercados externos somaram 4,9 milhões (+37,3%).

Vendas no comércio a retalho cresceram 0,5% em volume no mês de outubro

O agrupamento dos produtos alimentares registou uma queda homóloga de -3,2% no mês em análise (-0,2% em setembro). Por outro lado, nos produtos não alimentares observou-se um crescimento de 3,5% (4,3% em setembro).
Comentários