TAP adia relançamento de voos para a Rússia previsto para verão devido à guerra

Falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, em altura de aceso confronto armado na Ucrânia após a invasão russa do país em 24 de fevereiro, a responsável disse prever, ainda assim, uma temporada de verão na qual a TAP irá “alcançar mais de 85% da capacidade”.

A TAP anunciou hoje ter adiado o relançamento dos voos para a Rússia, previsto para o verão, devido à guerra da Ucrânia causada pela invasão russa, prevendo ainda assim um verão com mais de 85% de capacidade operacional.

“Tínhamos previsto relançar a nossa rota para a Rússia e decidimos adiá-la e vamos de novo considerá-la no próximo ano. Isto é algo que mudámos completamente no nosso calendário de verão”, declarou a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, em declarações à margem da Cimeira da Aviação 2022 organizada pela Airlines for Europe (A4E), a maior associação de companhias aéreas na União Europeia.

Falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, em altura de aceso confronto armado na Ucrânia após a invasão russa do país em 24 de fevereiro, a responsável disse prever, ainda assim, uma temporada de verão na qual a TAP irá “alcançar mais de 85% da capacidade”.

“Estamos a aumentar a nossa operação. É desafiante porque temos de preparar todas as partes interessadas, os aeroportos, as fronteiras, tráfego, entre outras coisas, e tudo está a ser preparado”, referiu Christine Ourmières-Widener.

De acordo com a responsável, devido às recentes vagas de covid-19 causadas pela variante Ómicron do SARS-CoV-2 e pela “tragédia da Ucrânia”, o pico desta temporada “será um pouco mais tarde este ano”, talvez “no final de maio”.

Ainda devido à guerra, “adotámos várias iniciativas relativas à guerra, como com voos de carga, com grande cooperação com o Governo” português, avançou Christine Ourmières-Widener.

Mantida é, para já, a rota da TAP para a Polónia, “que fazemos numa base diária e à qual estamos a adicionar capacidade através de voos ‘charter’”, acrescentou.

“Não voamos para a Ásia e não tínhamos planos para o fazer e, por isso, não temos o mesmo impacto que outras companhias aéreas, como a Finnair”, adiantou Christine Ourmières-Widener.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

JE promove debate sobre o valor económico da indústria farmacêutica (com áudio)

O Fórum da Indústria Farmacêutica realiza-se no Pestana Palace Lisboa Hotel, a partir das 9h15, e terá como tema central o valor económico da indústria farmacêutica. Será transmitido, em direto, através da plataforma JE TV, em www.jornaleconomico.pt.

Deloitte diz que reavaliação pedida por Novobanco aos Fundos de Reestruturação gerou perdas de 313 milhões em 2020

No documento da Deloitte, são reveladas as “perdas em fundos [de reestruturação] de 313 milhões de euros, resultantes essencialmente de um processo de reavaliação por entidade externa promovido pelo Novobanco, que resultou numa desvalorização média de cerca de 47% face ao Net Asset Value apresentado nas contas dos fundos” de reestruturação.

França e Espanha são os destinos de férias favoritos dos portugueses

Cá dentro, Funchal, Ponta Delgada, Lisboa e Porto são os locais preferidos, enquanto os períodos curtos de estadia são os mais escolhidos, de acordo com um levantamento feito pela agência de viagens eDreams, que também analisou dados sobre os turistas estrangeiros que fazem férias em Portugal.
Comentários