TAP. Bloco de Esquerda quer ouvir Pedro Nuno Santos na próxima semana no Parlamento

O ministro das Infraestruturas foi chamado ao Parlamento sobre o plano de reestruturação da companhia aérea que vai ser entregue amanhã na Comissão Europeia.

Cristina Bernardo

O Bloco de Esquerda quer ouvir o ministro das Infraestruturas  no Parlamento na próxima semana sobre o plano de reestruturação da TAP. O partido entregou hoje um requerimento com carácter potestativo na comissão parlamentar de Economia.

“O requerimento foi analisado hoje na comissão. Tratando-se de um requerimento potestativo, ou seja, de um pedido de vinda do ministro, com carater potestativo, não tem de ser votado, é sempre “aprovado” exatamente por se tratar desse direito do partido, neste caso o Bloco, pedir a sua vinda”, disse fonte oficial do BE ao JE.

O Bloco quer ouvir Pedro Nuno Santos na terça-feira, mas a audição nesta data está sujeita ainda a confirmação por parte do ministro.

Pedro Nuno Santos está hoje reunido com vários partidos parlamentares em reuniões à porta fechada com o intuito de apresentar o plano de reestruturação da TAP.

Recorde-se que o prazo final para entregar o plano de reestruturação à Comissão Europeia é amanhã, quinta-feira 10 de dezembro.

No final de uma das reuniões com o ministro das Infraestruturas, o CDS anunciou que o Governo tem a intenção de injetar mais 470 milhões de euros na TAP em 2021, o que vai obrigar à realização de um Orçamento retificativo.

Os representantes do partido disseram que saíram preocupados da reunião com o Governo pois o plano do executivo para a TAP “implica um envelope financeiro de muitos milhões de euros em varias tranches ao longo dos próximos anos”.

“Percebe-se que terá que haver um reforço orçamental de mais de 470 milhões de euros”, disse o deputado do CDS em declarações transmitidas pela RTP.

“Haverá um [Orçamento] retificativo no próximo ano, mais que não seja por esta questão da TAP”, afirmou João Gonçalves Pereira esta quarta-feira, após a reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Sobre a necessidade de um retificativo, o CDS disse qie chegou a esta conclusão pelos números apresentados pelo Governo.

O Governo colocou 500 milhões de euros para injetar na TAP no Orçamento do Estado para 2021, com o valor de 470 milhões de euros, o montante total a injetar na companhia aérea no próximo ano vai atingir os 970 milhões de euros.

Juntando este valor aos 1.200 milhões de euros já aprovados pelo Governo, a transportadora aérea portuguesa irá receber 2.170 milhões de euros em menos de dois anos.

 

TAP. CDS diz que Governo vai ter de fazer um Orçamento retificativo em 2021 para injetar mais 470 milhões

Relacionadas

Plano de reestruturação da TAP prevê que Porto perca um terço das rotas

Ao que o Jornal Económico apurou, o ministro terá informado os grupos parlamentares que a redução de rotas da companhia será da ordem dos 25%, incidindo sobretudo em rotas baseadas em Lisboa. Mas o Porto vai perder um terço das rotas atuais, passando de 15 em 2019 para cerca de dez no próximo ano, adiantou a mesma fonte.

Plano de reestruturação da TAP prevê redução de 25% nas rotas e corte de custos com pessoal de 1,4 mil milhões até 2025

Plano de reestruturação da TAP prevê redução de 25% no número de rotas da companhia aérea, passando de cem para 75. As rotas com partida do Porto vão passar de 15 para cerca de 10, segundo a mesma fonte, o que corresponde a uma redução de 33%. Plano prevê poupança de 1,4 mil milhões de euros em custos com o pessoal, até 2025. Acordos de empresa serão suspensos.

Ministro da Economia sobre a TAP: “Remunerações pagas a muitos dos seus trabalhadores são superiores aos das congéneres e concorrentes europeias”

“A TAP vai precisar de injeções de dinheiros públicos, o que está sujeito a autorização da Comissão Europeia. A condição para o permitir é a demonstração que a TAP tem viabilidade a longo prazo”, afirmou hoje Siza Vieira.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários