TAP. CDS diz que Governo vai ter de fazer um Orçamento retificativo em 2021 para injetar mais 470 milhões

O CDS saiu preocupado da reunião com o Governo pois o plano do executivo para a TAP “implica um envelope financeiro de muitos milhões de euros em varias tranches ao longo dos próximos anos”. Em menos de dois anos, a TAP vai receber 2.170 milhões de euros de dinheiro público.

João Gonçalves Pereira

O CDS anunciou hoje que o Governo tem a intenção de injetar mais 470 milhões de euros na TAP em 2021, o que vai obrigar à realização de um Orçamento retificativo.

Os representantes do partido disseram que saíram preocupados da reunião com o Governo pois o plano do executivo para a TAP “implica um envelope financeiro de muitos milhões de euros em varias tranches ao longo dos próximos anos”.

“Percebe-se que terá que haver um reforço orçamental de mais de 470 milhões de euros”, disse o deputado do CDS em declarações transmitidas pela RTP.

“Haverá um [Orçamento] retificativo no próximo ano, mais que não seja por esta questão da TAP”, afirmou João Gonçalves Pereira esta quarta-feira, após a reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Sobre a necessidade de um retificativo, o CDS disse qie chegou a esta conclusão pelos números apresentados pelo Governo.

O Governo colocou 500 milhões de euros para injetar na TAP no Orçamento do Estado para 2021, com o valor de 470 milhões de euros, o montante total a injetar na companhia aérea no próximo ano vai atingir os 970 milhões de euros.

Juntando este valor aos 1.200 milhões de euros já aprovados pelo Governo, a transportadora aérea portuguesa irá receber 2.170 milhões de euros em menos de dois anos.

 

 

TAP tenta “evitar o fim” e precisa de mais 1.600 milhões de euros

Relacionadas

TAP. Governo apresenta hoje plano de reestruturação aos partidos em reuniões à porta fechada

O plano de reestruturação da TAP só será entregue no último dia do prazo dado por Bruxelas, 10 de dezembro, mas antes o Governo discute-o com os partidos, hoje e na quinta-feira, em reuniões fechadas, no parlamento.

TAP. Sindicato dos pilotos defende adiamento da entrega do plano de reestruturação em Bruxelas

O Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) reiterou hoje a necessidade de adiamento da entrega do plano de reestruturação da TAP à Comissão Europeia, prevista para quinta-feira, depois do Conselho de Ministros extraordinário realizado esta noite.

TAP tenta “evitar o fim” e precisa de mais 1.600 milhões de euros

O Governo debateu na terça-feira o plano de reestruturação da TAP em Conselho de Ministros extraordinário. Hoje os partidos vão conhecer o dito plano. Amanhã, quinta-feira, 10 de dezembro, será a vez de Bruxelas receber este plano. Segue-se a negociação dos seus termos e em fevereiro o plano definitivo regressará ao Parlamento. Pelo caminho, milhares de trabalhadores vão sair do Grupo TAP e a frota de aviões será reduzida das atuais 101 para 88 ou 85 aeronaves.

Eduardo Catroga diz que “a TAP é um mau exemplo de interferência política continuada”

Antigo ministro das Finanças defende que os erros na companhia aérea começaram muito antes da pandemia e continuaram com o modelo de apoio escolhido, expressando o desejo de que não existam interferências no plano de reestruturação.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários