TAP: Costa “surpreendido” com revelação de Pedro Nuno Santos e defende Ministério das Finanças

Falando aos jornalistas no final de uma sessão sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em Movimento em Carnaxide, concelho de Oeiras, sobre construção de nova habitação, António Costa defendeu a tese de que, neste caso referente à indemnização recebida pela ex-secretária de Estado Alexandra Reis no valor de meio milhão de euros, o Ministério das Finanças não foi informado.

Pedro Nuno Santos

O primeiro-ministro afirmou hoje ter ficado tão surpreendido “como o próprio” ex-ministro Pedro Nuno Santos quando revelou que afinal tinha dado autorização ao pagamento pela TAP da indemnização à ex-secretária de Estado Alexandra Reis.

Falando aos jornalistas no final de uma sessão sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em Movimento em Carnaxide, concelho de Oeiras, sobre construção de nova habitação, António Costa defendeu a tese de que, neste caso referente à indemnização recebida pela ex-secretária de Estado Alexandra Reis no valor de meio milhão de euros, o Ministério das Finanças não foi informado.

Questionado sobre o facto de o ex-ministro das Infraestruturas ter agora assumido que conhecia essa indemnização e que também a autorizou, o líder do executivo disse ter ficado “tão surpreendido como – creio – o próprio”.

“No comunicado que divulgou, ele próprio se surpreendeu por ter agora constatado que afinal tinha sabido e dado autorização”, referiu, antes de procurar retirar o Ministério das Finanças desta questão.

“Já todos sabemos que Finanças não sabia, é um ponto sobre o qual não vale a pena haver qualquer tipo de insistência. O Ministério das Infraestruturas já disse que não comunicou ao Ministério das Finanças, a TAP já disse que não comunicou ao Ministério das Finanças, presumindo que o Ministério das Infraestruturas comunicaria, e o então ministro das Finanças, o professor João Leão, já veio publicamente dizer que desconhecia”, frisou António Costa.

Recomendadas

Meta testa mundos virtuais fechados 

The Big Ones destaca semanalmente as inovações e movimentos estratégicos das empresas que lideram a nova economia.

Docapesca e sindicatos acordam aumentos salariais entre 2% e 8,7%

A Docapesca e os sindicatos representativos dos trabalhadores acordaram hoje aumentos salariais entre 2% e 8,7%, que fixam o salário mínimo em 800 euros, com efeitos retroativos a janeiro, anunciou o Governo.

IGCP quer alargar rede de distribuidores dos certificados de aforro para contornar desinteresse da banca

O presidente do IGCP sublinhou na COF o interesse em alargar a rede de distribuidores, de forma a contornar também, o que disse ser, o desinteresse da banca.
Comentários