TAP deverá apresentar lucros recorde de 140 milhões de euros (com áudio)

O corte salarial de 45%, e posteriormente de 35%, foi o factor que mais contribuiu para os lucros de 2022. TAP não comenta valores e remete resultados para março.

A companhia aérea portuguesa deverá apresentar lucros na ordem dos 140 milhões de euros para o ano de 2022, o melhor resultado de sempre, revela o “Correio da Manhã” esta quarta-feira. Para as contas da TAP contribuiu a descida do peso da massa salarial, uma vez que os pilotos iniciaram o ano com um corte de 45%, que a meio do ano desceu para os 35%.

A publicação lembra que a transportadora de bandeira apresentou um prejuízo de 91 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, mas que entre julho e setembro conseguiu lucros de 111 milhões de euros. Por sua vez, a faturação total da empresa em 2022 deverá ter ultrapassado os três mil milhões de euros.

A TAP optou por não comentar os valores noticiados pelo “Correio da Manhã” e indicou que os “resultados serão apresentados na devida altura”, no próximo mês de março. A notícia que dá conta de lucros recordes sai na véspera da discussão da comissão de inquérito que vai analisar a gestão da empresa por parte da tutela política.

Recomendadas

TAP: PS esclarece que viabilizará proposta de inquérito do BE com abstenção

O Grupo Parlamentar do PS esclareceu que viabilizará a proposta de inquérito parlamentar do Bloco sobre a TAP através da abstenção, corrigindo a posição assumida pelo deputado Carlos Pereira.

EDP já instalou mais de 700 mil painéis solares nas casas de famílias na Ibéria

A EDP explica que “estas famílias conseguem uma poupança média de até 30% ou mesmo 70% quando agregado a uma bateria de armazenamento. A produção de energia gerada nestas instalações seria suficiente para abastecer com energia renovável 500 mil pessoas por mês, o equivalente a fornecer apenas com energia solar toda a população de Lisboa”.
litio

Lítio: Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina em Montalegre

A Lusorecursos Portugal Lithium confirmou um parecer favorável por parte da Comissão de Avaliação da Mina do Romano, que dá luz verde à exploração mista de lítio (céu aberto e subterrânea) em Montalegre.
Comentários