TAP. Governo apresenta hoje plano de reestruturação aos partidos em reuniões à porta fechada

O plano de reestruturação da TAP só será entregue no último dia do prazo dado por Bruxelas, 10 de dezembro, mas antes o Governo discute-o com os partidos, hoje e na quinta-feira, em reuniões fechadas, no parlamento.

Segundo fonte oficial do Ministério das Infraestruturas, o Governo vai manter reuniões fechadas com os partidos com assento parlamentar, hoje e quinta-feira, sobre o plano de reestruturação da TAP, que será entregue à Comissão Europeia na quinta-feira, o último dia do prazo dado por Bruxelas.

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, que tem a tutela da aviação, não fará declarações aos jornalistas no final das reuniões, acrescentou a mesma fonte, mas o plano será apresentado publicamente pelo Governo depois da entrega a Bruxelas, em conferência de imprensa, ainda a ser marcada.

O Governo esteve reunido em Conselho de Ministros extraordinário na noite de terça-feira, para apreciar o plano de reestruturação da TAP, disse à agência Lusa fonte do executivo.

A apresentação do plano de reestruturação da TAP à Comissão Europeia até quinta-feira é uma exigência da Comissão Europeia, pela concessão de um empréstimo do Estado de até 1.200 milhões de euros, para fazer face às dificuldades da companhia, decorrentes do impacto da pandemia de covid-19 no setor da aviação.

O plano prevê o despedimento de 500 pilotos, 750 tripulantes de cabine e 750 trabalhadores de terra, a redução de 25% da massa salarial do grupo e do número de aviões que compõem a frota da companhia, divulgaram os sindicatos que os representam.

O Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) e o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) apelaram ao Governo que negoceie com Bruxelas o adiamento da apresentação do plano de reestruturação da TAP, denunciando que este está baseado em previsões de mercado “completamente desatualizadas”.

O grupo parlamentar do PSD informou segunda-feira que foi informado pelo Governo da intenção do Executivo de levar o plano de reestruturação da TAP a debate na Assembleia da República.

Na passada quarta-feira, centenas de trabalhadores da TAP concentraram-se em frente à Assembleia da República, em Lisboa, a pedir diálogo e transparência, no âmbito do processo de reestruturação do grupo.

A iniciativa foi promovida pelo movimento “os números da TAP têm rosto”, sem qualquer ligação aos sindicatos que representam os trabalhadores da companhia aérea, na sequência de notícias sobre despedimentos e cortes salariais que têm sido anunciados.

Relacionadas

TAP. Sindicato dos pilotos defende adiamento da entrega do plano de reestruturação em Bruxelas

O Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) reiterou hoje a necessidade de adiamento da entrega do plano de reestruturação da TAP à Comissão Europeia, prevista para quinta-feira, depois do Conselho de Ministros extraordinário realizado esta noite.

TAP tenta “evitar o fim” e precisa de mais 1.600 milhões de euros

O Governo debateu na terça-feira o plano de reestruturação da TAP em Conselho de Ministros extraordinário. Hoje os partidos vão conhecer o dito plano. Amanhã, quinta-feira, 10 de dezembro, será a vez de Bruxelas receber este plano. Segue-se a negociação dos seus termos e em fevereiro o plano definitivo regressará ao Parlamento. Pelo caminho, milhares de trabalhadores vão sair do Grupo TAP e a frota de aviões será reduzida das atuais 101 para 88 ou 85 aeronaves.

TAP. Sindicato exige adiamento do envio do plano de reestruturação para Bruxelas

O SNPVAC defende que o envio do plano para a Comissão Europeia deve ser suspenso para ser feita uma reavaliação. O dia 10 de dezembro é o prazo limite. O sindicato aponta que o plano de reestruturação “reduz a companhia para a dimensão dos anos de 2006-2007”. Depois da pandemia a TAP será vital para a “recuperação económica” em particular para o setor do turismo, daí a empresa não poder estar com a operação muito reduzida, argumenta o sindicato.
Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários