TAP pagou indemnização superior a um milhão de euros a antiga diretora quando já era do Estado (com áudio)

Miguel Relvas, ex-ministro dos Assuntos Parlamentares de Passos Coelho, referiu que a indemnização à diretora da TAP aconteceu quando a empresa era governada pelos privados mas também pelo Estado.

O antigo ministro dos Assuntos Parlamentares do Governo de Passos Coelho revelou que a TAP realizou uma indemnização milionária quando já estava no controlo do Estado. Na “CNN Portugal”, Miguel Relvas esclareceu que se trata de uma indemnização superior a um milhão de euros a uma diretora.

“Já com a gestão pública, depois da renacionalização novamente da TAP, houve uma diretora que recebeu mais de um milhão de euros”, disse Miguel Relvas no programa do canal.

O ex-ministro apontou que, na altura da saída da diretora e da indemnização, a TAP era governada entre os privados e o Estado “mas o Estado já lá estava dentro” e que “nessa altura já existiam indemnizações desta dimensão, num país que paga mal na Administração Pública, onde a política de salários é baixa, temos uma empresa financiada pelo Estado nestas circunstâncias”.

Sobre o tema TAP, que esteve a analisar a presença de Christine Ourmières-Widener na Assembleia da República para responder aos deputados, Miguel Relvas adiantou que a “vítima deste processo é Pedro Nuno Santos”.

Ainda assim, o ex-ministro apontou ser “surpreendente que não se fale do representante da empresa, que é o chairman, que é o que faz ou deveria fazer a ligação entre a empresa e o Estado”. Sabendo-se agora que a indemnização era do conhecimento do Governo, uma vez que o ex-secretário de Estado das Infraestruturas sabia do caso, “o chairman da empresa mantém o lugar mas não assume as suas responsabilidades”.

Relacionadas

Administração da TAP escolheu o banco de investimento depois de uma análise exaustiva

Christine Ourmières-Widene respondeu à questão feita sobre o advisory financeiro da privatização (a deputada do BE  perguntou especificamente pela Evercore) dizendo “que houve uma consulta a bancos de investimento de todo o mundo e que o conselho de administração acabou por escolher este que cumpria os requisitos de independência”.

“Somos gestores públicos e esse é o estatuto da administração”, diz CEO da TAP

Christine Ourmières-Widener entende que a sua equipa tem o estatuto de gestor público, mas esta dimensão não foi aplicada no acordo de compensação de Alexandra Reis.

CEO da TAP garante ter condições para continuar. “Todos os dias estamos a tomar decisões. Agimos de boa fé”

Christine Ourmières-Widener foi ouvida na comissão parlamentar sobre a compensação de 500 mil euros paga à ex-administradora Alexandra Reis, onde assegurou que nunca falou diretamente com o ministro das Finanças sobre o assunto. “Apenas me aconselhou a dizer toda a verdade”, afirmou a CEO.

TAP seguiu instruções do assessor jurídico na indemnização a Alexandra Reis e na comunicação à CMVM

A equipa legal da TAP só esteve envolvida quando o processo foi fechado e teve a responsabilidade de enviar para a CMVM o texto acordado pela equipa legal, disse a CEO.

CEO da TAP confirma que sugeriu nome da diretora de sustentabilidade

Christine Ourmieres-Widener apontou o nome de Isabel Nicolau para o cargo de diretora de sustentabilidade por esta ter “as competências que o cargo requer” mas justifica que não teve mão no processo de seleção.

Christine Ourmières-Widener só recebe bónus se cumprir o plano de reestruturação em 2025

A CEO diz que TAP podia ter acabado em 2021 se não fosse a opção do Governo. “A TAP poderia ter acabado em 2021, como aconteceu com outras companhias aéreas, e com enormes impactos na economia portuguesa. A opção do Governo foi salvar a TAP como ativo do País, de acordo com um Plano de Reestruturação, validado por Bruxelas, com caminhos e metas a atingir”, disse.

CDS pede demissão da presidente do conselho de administração da TAP

Os centristas defendem que Christine Ourmières-Widener, ouvida esta quarta-feira no Parlamento, não tem condições para manter o cargo de presidente do conselho de administração da TAP.
Recomendadas

“É importante pensar na estratégia do que se quer para a TAP”, refere administrador da Vila Galé

Gonçalo Rebelo de Almeida considera que é necessário perceber se Portugal quer transformar a TAP numa companhia mais pequena só a Europa ou se o país quer continuar a apostar no seu crescimento.
TAP

Finanças desconheciam bónus de três milhões acordado com CEO da TAP

O antigo ministro João Leão não teve conhecimento do montante do bónus da CEO da TAP que consta do contrato assinado a 8 de junho de 2021.

Premium“Vamos continuar a trabalhar as duas marcas em separado”

Neves e Almeida e CEGOC vão trabalhar em autonomia e com equipas de gestão próprias, mantendo a identidade de cada marca.
Comentários