“TAP reconhece que a Swissport é a melhor solução para a GroundForce”, diz o CEO Warwick Brady (com áudio)

A Swissport é a “melhor solução para a GroundForce”, porque “sabem bem que nós somos a Apple ou a Microsoft do handling”, diz o CEO da Swissport, Warwick Brady.

Quanto se terá de investir no aeroporto em Lisboa para ter um hub forte para a TAP? O Jornal Económico colocou a questão em Zurique ao presidente e CEO da Swissport, Warwick Brady, para quem a questão fundamental não está no montante a investir mas na eficiência de gestão. “Creio que a ANA e a Vinci continuam a investir no aeroporto de Lisboa e que a TAP também investe”, refere o CEO, explicando que a questão resume-se a “tornar a infraestrutura adaptada ao seu nível de utilização. Não estamos a falar de necessidade de investimento massivas. Apenas precisamos é que a infraestrutura funcione com eficiência”, comenta. Mais relevante ainda – diz – é que “a TAP reconhece que nós, a Swissport, somos a melhor solução para eles na GroundForce”, porque “sabem bem que nós somos a Apple ou a Microsoft do handling”.

“Todos têm de participar neste ecossistema. Desde a forma como todos se coordenam no aeroporto. Ou como é a agilidade interna de gestão dos fluxos de chegadas e dos fluxos de partidas. Como é que as portas (“gates”) funcionam. Ou como é que o serviço de fronteiras controla rapidamente os fluxos de passageiros”, diz o CEO.

“Trata-se de fazer sair rápida e ordenadamente de um avião todos os passageiros e a sua carga; de tratar dos serviços de abastecimentos de combustível e água; da limpeza; de carregar as malas e a carga do voo seguinte e dar entrada aos próximos passageiros com toda a segurança; de sentá-los nos seus lugares; e de fazer isto tudo da forma mais rápida e tranquila que é possível e é disso que nós, na Swissport, percebemos”, refere Warwick Brady.

No processo de negociação da GroundForce a TAP será sempre importante na decisão que vier a ser tomada. Mas Warwick Brady considera que “a TAP reconhece que nós, a Swissport, somos a melhor solução para eles na GroundForce”.

“É claro que a TAP pretende que seja melhorada a concorrência de serviços, com a otimização de preços que isso pode envolver. Mas sabem bem que nós somos a Apple ou a Microsoft do handling”, diz o CEO da Swissport, que nunca adiantou qualquer referência sobre o valor da GroundForce, nem sobre a negociação em curso.

“Ainda estamos em negociações. Estamos a meio deste processo. Mas todos sabem que temos um balanço confortável para crescer e desenvolvermos novas operações. Temos de decidir as prioridades para os novos mercados que vamos desenvolver. Temos capital mais que suficiente para isso. E temos acionistas dispostos a investir. Todos os negócios que façam sentido terão condições para avançar na Swissport”, diz o CEO.

Recomendadas

Os desafios e constrangimentos de Christine Ourmières-Widener no primeiro ano

Christine Ourmières-Widener cumpre este sábado um ano como presidente executiva da TAP, um período marcado pelos desafios e constrangimentos da execução do plano de reestruturação, um compromisso que assumiu no primeiro dia.

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.

Operação da TAP em níveis de 2019 mas conflitos laborais ameaçam verão

As dificuldades nas negociações entre a TAP e os sindicatos, numa altura em que o tráfego está próximo de níveis de 2019, ameaçam perturbar a operação no verão, com as estruturas a darem indicações de que poderão convocar greves.
Comentários