TAP. Sindicato contraria CFO e diz que tripulantes já podem voar 900 horas por ano

O sindicato dos tripulantes da TAP acusa a empresa de desconhecer o atual Acordo de Empresa, assinalando estar previsto que podem voar 900 horas por ano, e desafia a empresa a divulgar o estudo no qual tem baseado afirmações.

Num comunicado enviado hoje aos associados e a que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) afirma que se torna “cada vez mais complicado tentar negociar um novo AE [Acordo de Empresa] com a Administração da TAP, principalmente porque a própria desconhece por completo o atual”.

O sindicato dos tripulantes considera ser “mais grave ainda” que “existem membros da Administração que desconhecem o que propuseram aos Tripulantes”.

“Referir na Comunicação Social que este grupo de trabalhadores terá um corte médio na remuneração fixa de 120 euros, só pode significar uma coisa: a confidencialidade deste documento foi tal, que os próprios desconhecem o seu conteúdo”, refere o comunicado.

O SNPVAC destaca ainda que desde 2006 que os tripulantes da TAP “podem voar 900 horas por ano”, pelo que diz acreditar “que o facto desse número não ser atingido se deve única e exclusivamente à incompetência na gestão mensal e diária dos tripulantes e da operação no geral”.

Em causa estão as declarações do administrador com o pelouro financeiro da TAP (CFO), Gonçalo Pires, que garantiu que “todos os tripulantes de cabine da TAP podem vir a ganhar mais do que ganhavam em 2019”, mas que para isso têm de “trabalhar mais”.

Em entrevista à Lusa, o CFO da TAP considerou que os atuais acordos “são antigos” e “fora de prazo”, sendo preciso ajustá-los “aos tempos modernos”.

Citando um estudo, de uma consultora para a companhia, que concluiu, segundo o gestor, que “para as duas grandes categorias profissionais de tripulantes de cabine, na do comissário assistente na TAP ganham 25% mais, já depois dos cortes salariais, e no caso do topo da carreira, dos supervisores de cabine, 50% mais” do que na British Airways.

“Nós temos todos que ser mais produtivos, incluindo os tripulantes de cabine. Na British Airways podem trabalhar até 900 horas por ano. Porque é que na TAP só se pode trabalhar até 600?”, questionou Gonçalo Pires.

O CFO recusou que os tripulantes de cabine possam perder em média 450 euros com o novo acordo. “A nossa proposta faz um ajuste da remuneração fixa. Mas paga mais se se voar mais”, reforçou.

O sindicato dos tripulantes lamenta que persista, o que diz ser um “ataque difamatório” contra os tripulantes, “mas sem apresentar o famoso estudo em que baseia as suas afirmações”.

“Atacar é simples. Apresentar provas é bem mais complicado. Por isso, a fim de evitar o estigma do ‘eu sei que você sabe que eu sei que você sabe’, desafiamos a empresa a apresentar o tal estudo publicamente”, refere.

Relacionadas

TAP: Tripulantes “podem vir a ganhar mais” do que em 2019 se trabalharem mais, diz CFO

O administrador com o pelouro financeiro da TAP (CFO), Gonçalo Pires, garantiu que “todos os tripulantes de cabine da TAP podem vir a ganhar mais do que ganhavam em 2019”, mas que para isso têm de “trabalhar mais”.

PremiumAcordo dos tripulantes da TAP “está totalmente desfasado da realidade do mercado”

É um apelo da CEO da TAP a menos de um mês de uma greve que já está a ter consequências para a companhia aérea portuguesa, que está a receber até 3,2 mil milhões de euros de ajuda dos contribuintes portugueses.

Acionistas da TAP aprovam alterações ao capital da companhia

Os acionistas da TAP aprovaram hoje, em assembleia geral, uma proposta do Estado para um aumento do capital, seguido de redução em igual valor, e injeção de 10 milhões de euros, confirmou à Lusa o CFO da companhia.
Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.
Comentários