TAP. Sindicato quer saber qual a redução de custos prevista para as “negociatas dos leasings”

SITAVA aponta que os custos com o pessoal “são apenas uma parcela e nem sequer a maior” e quer saber o que pretende o conselho de administração e o Governo fazer em relação às “negociatas dos leasings, dos combustíveis, das taxas e comissões, dos fornecimentos externos e tantos outros”.

TAP Portugal

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) considera que a discussão pública em torno do plano de reestruturação da TAP tem estado centrada na redução de trabalhadores e de salários, considerando que deveria ser discutido publicamente como reduzir custos noutras áreas da companhia aérea.

“Foi, portanto, decretado neste final de semana que os trabalhadores da TAP vão passar a ser uma espécie de sem-abrigo a quem os “contribuintes portugueses” por especial favor, vão pagar um salário, que por isso tem que ser pequenino, porque quanto maior for, mais os portugueses têm que pagar. Valeu tudo para ofender a dignidade dos trabalhadores da TAP”, disse o SITAVA em comunicado divulgado esta segunda-feira.

O sindicato considera que os “governantes e o Conselho de Administração mostram alguma dificuldade em manter a serenidade e relacionar-se democraticamente, com os trabalhadores, não poderão ser estes a deixar-se levar pelo desespero, como se as ofensas que fomos ouvindo fossem lei e, pior ainda, que essa lei já estivesse aplicada. Nada disso. Massacraram-nos durante todos estes dias com a parcela dos custos de pessoal. Temos que lembrar que esses custos são apenas uma parcela e nem sequer a maior”.

“Exigimos que os responsáveis, governo incluído, venham a público, para a mesma opinião pública dizer quais as reduções de custos nas outras rubricas, e se lhe cortam com o mesmo desplante, como por exemplo nas negociatas dos leasings, dos combustíveis, das taxas e comissões, dos fornecimentos externos e tantos outros. Ou será que todos esses contratos têm que ser cumpridos e apenas os contratos com os trabalhadores podem ser violados?”, questiona o sindicato.

O plano de reestruturação da TAP prevê um corte de custos com pessoal de 1,4 mil milhões de euros até 2025, revelou na semana passada o ministro das Infraestruturas, confirmando o valor avançado pelo Jornal Económico dias antes.

Pedro Nuno Santos também avançou que o plano “prevê uma redução salarial progressiva até 25% que é muito intenso, mas este corte permite poupar entre 600 a 1.000 postos de trabalho. Se não houvesse este corte salarial, tínhamos de despedir mais pessoas”.

Relacionadas

Pedro Nuno Santos admite que pilotos despedidos da TAP possam vir a ser contratados pela Portugália

“A Portugália vai contratar, não podem haver passagens diretas, mas vamos ver se do ponto de vista legal é possível privilegiar a experiência na TAP”, adiantou Pedro Nuno Santos, no programa Conversa Capital.

Pedro Nuno Santos admite cortes salariais maiores para haver menos despedimentos na TAP

O ministro das Infraestruturas e da Habitação adiantou ao programa Conversa Capital da Antena 1 e Jornal de Negócios, que há uma proposta nesse sentido feita pelo sindicato dos pilotos da TAP. Não excluiu a possibilidade de outros sindicatos e outras áreas da empresa avançarem propostas idênticas.

“TAP pode precisar de assistência do Estado até 2024” para enfrentar perdas acumuladas de 6,7 mil milhões de euros, alerta Pedro Nuno Santos

Só em 2025 é que a TAP terá condições para “começar a devolver o dinheiro injetado pelo Estado”, admitiu esta sexta-feira Pedro Nuno Santos, prevendo que serão necessários cinco anos para que consiga apresentar números positivos, o que faz com que, no pior cenário, “as necessidades de capital da TAP possam atingir os 3,725 mil milhões de euros até 2024”

TAP: Corte salarial até 25% “permite poupar entre 600 a 1.000 postos de trabalho”, diz ministro

Os cortes salariais na TAP permitem evitarem um maior número de despedimentos, além dos 2.000 postos de trabalho identificados no plano de reestruturação que seguiu para Bruxelas. Ministro Pedro Nuno Santos diz que cortes até 25% nos salários dos trabalhadores da empresa evitam despedir mais 600 a 1.000 pessoas.

Reestruturação da TAP prevê corte de custos com pessoal de 1,4 mil milhões até 2025

Acordos de empresa serão suspensos e salários dos trabalhadores da companhia aérea sofrem cortes de 25% a partir de 900 euros.
Recomendadas

APAVT diz que é fundamental poder prorrogar pagamento de dívida contraída na pandemia

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) considera ser fundamental a possibilidade de prorrogar o pagamento do serviço da dívida contraída na pandemia, dado que os processos de recapitalização para as empresas não tiveram sucesso.

Governo dos Açores vai reconduzir atual presidente da SATA, Luís Rodrigues

O chefe do Governo dos Açores anunciou hoje que vai indigitar o atual presidente da SATA, Luís Rodrigues, para futuro presidente da holding, justificando a decisão com a importância da “estabilidade” associada à “competência” do responsável.

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.
Comentários