TAP: Sitava diz que falta “sensibilidade e bom senso” à gestão no caso da frota de carros

O Sitava acusou hoje a TAP de falta de “sensibilidade e bom senso”, na polémica sobre a renovação dos carros para administradores, e pediu que a empresa demonstre que não tem dualidade de critérios no cumprimento de contratos.

A CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener INÁCIO ROSA/LUSA

Em comunicado, com o título “sensibilidade e bom senso precisam-se”, o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) considerou que a administração da TAP contribuiu para que a companhia aérea “volte a ser utilizada como arma de arremesso político”, devido à renovação da frota automóvel.

Em causa está a notícia avançada pela TVI/CNN Portugal e pelo portal Away, na quarta-feira, de que a TAP encomendou uma nova frota de automóveis BMW para a administração e gestores, substituindo os da Peugeot.

A TAP defende que a renovação da frota automóvel permite uma poupança de 630 mil euros anuais, justificando que em causa estão 50 viaturas, para o qual foi feito um concurso ao mercado, tendo sido convidadas a participar seis entidades no mercado português.

“Pela nossa parte iremos de imediato solicitar uma reunião à Comissão Executiva para dar oportunidade à empresa de se retratar, e demonstrar que não pratica dualidade de critérios, resolvendo rapidamente as variadíssimas questões pendentes que se arrastam há meses”, apontou o sindicato, lembrando que os contratos com os trabalhadores da TAP preveem o “direito ao salário completo”, o que “não está a ser cumprido”, no âmbito da reestruturação da companhia.

O Sitava vincou que “não está, portanto, em causa o ato de gestão de renovar ou não a frota automóvel, nem sequer a marca escolhida”, mas repudiou “profundamente”, “as opções de gestão que canaliza recursos para cumprir os contratos com uns e recusa-os a outros, até para resolver as pequenas coisas, mas com grande significado para os trabalhadores”.

“[A gestão] canaliza recursos para obras perfeitamente inúteis como o controlo de acessos no H6 [edifício] e recusa-os para obras de fundo, como, por exemplo, para dignificar os balneários dos trabalhadores, e tantas outras que aqui poderíamos enumerar, como por exemplo essa ideia peregrina de mudar a sede à pressa e sem a devida ponderação”, acusou o sindicato.

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários