PremiumTAP teme impacto do risco de recessão nas suas receitas em 2023

Companhia aérea nacional diz que a capacidade este ano está a 90% dos níveis pré-pandemia. Aumento dos custos do jetfuel já está a afetar fortemente as operações da companhia. Acordos coletivos estarão “no topo da lista de prioridades” da TAP em 2023.

A TAP está preocupada com o impacto que o risco de recessão terá nas suas receitas no próximo ano. A atravessar o que considera ser um bom momento, a companhia aérea – atualmente a receber ajuda dos contribuintes portugueses num montante que pode ascender a 3,7 mil milhões de euros – admite, em declarações ao Jornal Económico, que há nuvens negras no horizonte.

“A [atual] procura está, principalmente, a ser desencadeada pela vontade e necessidade de viajar após dois anos de pandemia e de restrições de viagem. Mas as atuais incertezas geopolíticas e o risco de recessão são preocupações para a procura do próximo ano”, respondeu fonte oficial da TAP ao ser questionada sobre se o crescimento atual será sustentado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários