TAP teme que inflação afete procura e não afasta novo aumento de preços

“O maior impacto para nós [da guerra], aos dias de hoje, é referente aos preços dos combustíveis, em como reforçamos o nosso ‘hedging’ este ano e no próximo o potencial impacto da inflação e na procura, porque a inflação afeta os custos para os cidadãos e isso pode afetar a procura”, afirmou a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener.

A TAP disse hoje recear o “potencial impacto da inflação na procura”, em altura de crise energética e de guerra, que pressionam os preços, sem afastar novos aumentos para os passageiros, que acompanharão “tendências do setor”.

“O maior impacto para nós [da guerra], aos dias de hoje, é referente aos preços dos combustíveis, em como reforçamos o nosso ‘hedging’ este ano e no próximo o potencial impacto da inflação e na procura, porque a inflação afeta os custos para os cidadãos e isso pode afetar a procura”, afirmou a presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener.

“Já tivemos um aumento […], que anunciámos há uns dias, e estamos a acompanhar as tendências da indústria e a monitorizar o efeito destes aumentos na procura porque tem de haver um equilíbrio entre os preços e o que é refletido nos preços” dos bilhetes, acrescentou a responsável, em declarações à margem da Cimeira da Aviação 2022 organizada pela Airlines for Europe (A4E), a maior associação de companhias aéreas na União Europeia.

De acordo com a responsável, esta “não é uma tarefa fácil” e “não será possível refletir todo o impacto do aumento de combustíveis”.

“Sabemos isso, é apenas entender o que podemos fazer e depois implementar todas as iniciativas do lado dos custos”, adiantou falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, em altura de aceso confronto armado na Ucrânia após a invasão russa do país no final de fevereiro e de crise energética.

Em meados de março, a TAP anunciou o aumento da sobretaxa de combustível devido à subida do preço do petróleo, indicando que “a curto prazo, é inevitável que os preços das viagens” subam.

A companhia adiantou que “quer manter a sua competitividade” e tomará “as medidas mais adequadas em matéria de preços”, que podem subir entre 3 e 25 euros.

A inflação é, por estes dias, mais acentuada no que toca aos preços energéticos, tendo os preços dos combustíveis disparado nas últimas semanas e alcançado os níveis mais altos da última década devido aos receios de redução na oferta provocada pela invasão russa da Ucrânia.

Este aumento dos combustíveis pressiona também o setor da aviação, que ainda está a tentar recuperar das consequências da pandemia de covid-19, o que poderá resultar em bilhetes de avião mais caros.

O combustível representa até 35% dos custos operacionais das companhias aéreas.

As mais recentes previsões internacionais indicam que as transportadoras aéreas europeias não deverão apresentar lucros até 2023 ou 2024, na melhor das hipóteses.

Relacionadas

TAP adia relançamento de voos para a Rússia previsto para verão devido à guerra

Falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas, em altura de aceso confronto armado na Ucrânia após a invasão russa do país em 24 de fevereiro, a responsável disse prever, ainda assim, uma temporada de verão na qual a TAP irá “alcançar mais de 85% da capacidade”.

TAP perdeu quota de passageiros no aeroporto de Lisboa no quarto trimestre de 2021 (com áudio)

A transportadora aérea nacional passou de uma quota de 51% de passageiros no aeroporto Humberto Delgado no último trimestre de 2020 para 46% no período homólogo do ano passado, uma queda de cinco pontos percentuais.

Governo prevê injeção de mais 600 milhões de euros este ano na TAP

No documento enviado pelo Ministério das Finanças à Assembleia da República na sexta-feira e conhecido hoje, o Governo inscreveu como despesa total com a TAP, que está a implementar um plano de reestruturação aprovado por Bruxelas, 600 milhões de euros para este ano, face aos 641 milhões de euros que injetou em 2021.
Recomendadas

BES/GES: Passos Coelho ouvido em tribunal durante cerca de duas horas

Passos Coelho chegou ao Campus da Justiça pelas 14h05 e avisou logo que não iria prestar declarações à entrada do tribunal por estar “um bocadinho atrasado”, uma vez que a sua audição estava agendada para as 14h00.

Pedro Morais Leitão é o novo administrador-delegado da Media Capital

“Pedro Morais Leitão regressa, assim, ao grupo Media Capital, onde já desempenhou funções de administrador da Media Capital Multimédia e foi responsável pela fundação do portal IOL”, adianta a dona da TVI e da CNN Portugal.

Flexdeal com lucros consolidados de cerca de 160 mil euros entre outubro e março

A empresa apresentou ao mercado o seu Relatório de Gestão Intercalar, relativo ao período de 1 de outubro de 2022 a 31 de março de 2022. O resultado líquido do período atribuível à Flexdeal terminado em 31 de março de 2022 foi de 203.044,31 euros. O resultado líquido consolidado do período foi de 159.677,49 euros.
Comentários