Taxa de desemprego deverá cair para 6,1% em 2020, prevê o Banco de Portugal

O Banco de Portugal estima que o aumento do emprego no setor privado (devido à retoma económica) e as tendências demográficas vão fazer a taxa de desemprego regressar para perto da média observada no início da década de 2000.

Hugo Correia/Reuters

A instituição liderada por Carlos Costa demonstra mais otimismo sobre a descida do desemprego que o próprio Governo. Segundo as estimativas do banco central, divulgadas no Boletim Económico esta sexta-feira, a taxa de desemprego será de 8,9% este ano, descendo para 7,8% e 6,7% nos dois anos seguintes, respetivamente, antes de chegar aos 6,1% em 2020.

No Orçamento do Estado aprovado no final de novembro, o Governo prevê que o desemprego se situe em 9,2% este ano e em 8,6% em 2018. Para os dois anos seguintes as previsões do Executivo são mais antigas, datam de abril, quando divulgou no Programa de Estabilidade que previa desemprego nos 8,6% para 2019 e 8% em 2020.

O Banco de Portugal explicou esta sexta-feira que o mercado de trabalho deverá prosseguir a trajetória de recuperação dos anos mais recentes. “Depois de uma subida de 3,1% em 2017, o emprego deverá continuar a crescer até 2020, ainda que a um ritmo inferior ao do PIB (1,6% em 2018, 1,3% em 2019 e 0,9% em 2020). A taxa de desemprego manterá uma trajetória descendente, atingindo 6,1% no final do horizonte de projeção”.

Adiantou que os ganhos de emprego resultam essencialmente da evolução do emprego privado, enquanto a recuperação do emprego público será mas mais moderada. No final do horizonte de projeção o nível do emprego irá situar-se ainda em níveis cerca de 2% abaixo dos observados antes da crise financeira internacional.

“Para a população ativa projetam-se variações ligeiramente positivas ao longo do horizonte de projeção, tendo em conta que a recuperação cíclica da economia levará ao regresso ao mercado de trabalho de alguns indivíduos inativos, como os desencorajados uma tendência já observada nos últimos anos”, sublinhou.

Acrescentou, no entanto, que a manutenção das dinâmicas populacionais recentes, caracterizadas por um saldo natural e migratório negativo, não deverão permitir que a população ativa retome os níveis observados antes da crise financeira internacional.

“A conjugação destes fatores implica a continuação da tendência descendente da taxa de desemprego iniciada em 2014, para um nível de 6,1% em 2020, um valor ligeiramente superior à média observada até ao início da década de 2000, altura em que a taxa de desemprego começou a aumentar”.

Produtividade em queda

O crescimento rápido do emprego por comparação com o da atividade nos anos mais recentes tem-se traduzido numa redução da produtividade do trabalho desde 2014, tendência que se irá manter em 2017, explicou o banco central, adiantando que a fraca evolução da produtividade neste ciclo de recuperação é extensível a outros países da área do euro, embora os determinantes do fenómeno sejam diferentes nos vários países.

“No caso português, a evidência disponível aponta para que este seja um fenómeno de origem predominantemente intrassectorial, que poderá ter origem numa afetação de recursos aquém do ótimo que permitiria atingir a fronteira de possibilidades de produção”.

Um dos fatores a ter em conta neste contexto são os níveis de capital por trabalhador, baixos em comparação com a área do euro, e que foram severamente afetados pelo período recessivo iniciado em 2008, explicou.

“Com base num exercício de contabilidade do crescimento, conclui-se que o fator trabalho será o principal determinante do crescimento médio do PIB per capita no horizonte de projeção (cerca de 1 pp)”, sublinhou o Banco de Portugal.

“O capital humano irá manter um contributo positivo para o crescimento do PIB per capita, devendo ser o fator com maior contributo no final do horizonte de projeção (0,6 pp) e esta evolução enquadra- se numa trajetória estrutural de aumento das qualificações médias da população portuguesa, que ainda são relativamente baixas por comparação com padrões europeus”, concluiu.

Relacionadas

Emprego na zona euro aumenta 0,4% no terceiro trimestre

O Eurostat divulgou esta quarta-feira os dados do emprego na zona euro e na União Europeia no terceiro trimestre de 2017.

Desemprego da zona euro em outubro é o mais mais baixo desde janeiro 2009

Em Portugal, a taxa de desemprego foi, em outubro de 8,5%, estável face a setembro, mas abaixo dos 10,6% homólogos.

Salários dos portugueses ainda estão abaixo do nível anterior à crise

A recuperação do mercado de trabalho europeu não se refletiu no crescimento dos salários. Em alguns estados-membros, o rendimento disponível ainda se encontra abaixo dos níveis anteriores à crise, segundo Bruxelas.

Número de desempregados inscritos nos centros de emprego em outubro é o mais baixo em 9 anos

O desemprego diminuiu nos três setores de atividade económica face ao mês homólogo de 2016.

Desemprego desce para 8,5% no terceiro trimestre

INE aponta para população desempregada de 444 mil pessoas.
Recomendadas

Prestação da casa sobe entre 108 e 251 euros em dezembro

A prestação da casa paga pelos clientes bancários no crédito à habitação vai subir acentuadamente este mês nos contratos indexados à Euribor a três, seis e 12 meses, face às últimas revisões, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.

Compras das festividades aconteceram mais cedo e serão maiores este ano, segundo a Meta

Alguns dos motivos que podem explicar este acontecimento é o facto de os consumidores estarem preocupados com a escassez de bens, antecipando a compra dos presentes desejados, enquanto as empresas com excesso de stock procuraram eliminá-lo com grandes descontos.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo Pierre Gramegna lidera MEE a partir de hoje

Numa reunião realizada à distância na passada sexta-feira, o Conselho de Governadores do MEE, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, decidiu nomear o luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor executivo do fundo de resgate da zona euro.
Comentários