Taxa de inflação na zona euro cai para 1,9% em novembro

As taxas anuais mais baixas registaram-se na Dinamarca e na Irlanda. Portugal situa-se em terceiro, com uma taxa de 0,9%.

A taxa de inflação homóloga da zona euro foi de 1,9% em novembro de 2018, face a 2,2% em outubro. Em 2017, a taxa foi de 1,5%. Estes números são publicados pelo Eurostat, o serviço estatístico da Comissão Europeia.

As taxas anuais mais baixas registaram-se na Dinamarca, com 0,7% e na Irlanda, com 0,8%. Portugal situa-se em terceiro, com 0,9%.

A Estónia, Hungria e Roménia apresentam as taxas mais altas, todos com  3,2%. Comparativamente em outubro, a inflação anual caiu em 25 Estados-membros, manteve-se estável em apenas um país e subiu noutro.

Em novembro de 2018, a maior contribuição para a taxa de inflação da zona euro veio do setor energético (+0,88 pontos percentuais), seguido-se os serviços (+0,57 pontos percentuais), alimentação, álcool e tabaco (+0,38 p.p) e energia de bens não-industriais (+0,11 p.p).

Na União Europeia (UE), a inflação anual recuou para os 2,0% na variação em cadeia (2,2% em outubro), mas os preços aumentaram face ao mês homólogo (1,8%).

 

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários