Taxa de juro britânica mantém-se em mínimos

O Banco de Inglaterra (BoE) manteve, sem surpresas, a taxa diretora britânica em no mínimo histórico de 0,5%. O comité de política de monetária decidiu manter a taxa de juro que impera desde 2009 por oito votos contra um. O BoE sinalizou ainda que a “necessidade de uma alta antecipada da taxa de juro no […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Banco de Inglaterra (BoE) manteve, sem surpresas, a taxa diretora britânica em no mínimo histórico de 0,5%. O comité de política de monetária decidiu manter a taxa de juro que impera desde 2009 por oito votos contra um.

O BoE sinalizou ainda que a “necessidade de uma alta antecipada da taxa de juro no Reino Unido baixou, devido ao enfraquecimento da economia global”. As taxas deverão manter-se em mínimos por mais alguns meses e que, quando aumentarem estas subidas serão graduais e limitadas.

Também hoje, o banco central reviu ainda ligeiramente em baixa as previsões de crescimento e de inflação para os próximos anos.

As perspetivas de aumento do PIB para 2015 baixaram de 2,8% para 2,7%. Em 2016 deverá ser de 2,5% (2,6% anteriormente) e em 2017 deverá chegar aos 2,7%.

A instituição anunciou que manterá o programa de estímulos em 375 mil milhões de libras, cerca de 528 milhões de euros com o objetivo de adquirir ativos públicos e privados.

A inflação, atualmente em 0,1% deverá manter-se abaixo de 1% por mais um ano, devido à descida dos preços da energia e alimentos.

OJE

Recomendadas

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.