Taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação ultrapassa os 2% pela primeira vez desde maio de 2016

Em agosto, os bancos concederam 1.855 milhões de euros de novos empréstimos aos particulares, menos 111 milhões do que em julho, sendo 1.205 milhões de euros de crédito à habitação. Já o montante de novos empréstimos às empresas foi de 1.297 milhões de euros, menos 173 milhões do que no mês anterior.

O Banco de Portugal revelou as taxas de juro e montantes de novos empréstimos e depósitos, numa nota de informação estatística de agosto de 2022. Nela é referido que a taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação ultrapassa os 2% pela primeira vez desde maio de 2016, fixando-se em 2,01%.

Os bancos concederam 1.205 milhões de euros de crédito para a compra de casa (habitação própria permanente) em agosto, montante que caiu face ao mês anterior.

“Em agosto, os bancos concederam 1.855 milhões de euros de novos empréstimos aos particulares, menos 111 milhões de euros do que em julho, sendo 1.205 milhões de euros de crédito à habitação, 478 milhões de euros de crédito ao consumo e 171 milhões de euros de crédito para outros fins. Os valores registados em julho tinham sido, respetivamente, 1348, 454 e 163 milhões de euros”, lê-se no comunicado do BdP.

“A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação subiu para 2,01% (1,88% em julho), ultrapassando os 2% pela primeira vez desde maio 2016. Nos novos empréstimos ao consumo, a taxa de juro média aumentou para 7,93% (7,88% em julho)”, adianta a nota.

Em agosto, a taxa de juro média do stock de empréstimos à habitação fixou-se em 1,32%, continuando a aproximar-se da média da área do euro (1,67% em agosto), avança o supervisor da banca. “Desde abril de 2009 que o diferencial entre as taxas de juro médias em Portugal e na área euro não era tão baixo”, realça o Banco de Portugal.

Ao contrário do que se verifica na área euro, em Portugal a grande maioria dos empréstimos à habitação têm taxa de juro indexada às taxas Euribor a 6 meses ou a 12 meses, o que implica que as taxas de juro dos contratos de empréstimos são revistas a cada 6 ou 12 meses, respetivamente. Como tal, as variações da Euribor transmitem-se mais rapidamente ao stock de empréstimos à habitação em Portugal do que para a média da área do euro, contextualiza o banco central.

Nas novas operações de empréstimos à habitação concedidos em agosto, 69% do montante correspondeu a contratos com um prazo de fixação inicial de taxa de juro inferior a 1 ano, e apenas 7% com um prazo superior a 10 anos. A média da área do euro é de 18% e 57%, respetivamente.

Crédito a empresas foi de 1.297 milhões e caiu face a julho 

Em agosto, o montante de novos empréstimos concedidos pelos bancos às empresas foi de 1.297 milhões de euros, menos 173 milhões de euros do que no mês anterior.

Uma análise por escalão de montante mostra que foram emprestados 820 milhões de euros nos empréstimos até um milhão de euros (920 milhões de euros em julho) e 478 milhões de euros nos empréstimos acima de um milhão de euros (550 milhões de euros em julho), revela o BdP.

A taxa de juro média dos empréstimos às empresas voltou a aumentar e fixou-se em 2,75% (2,63% em julho). A taxa de juro média subiu nos empréstimos até um milhão de euros (de 2,76% para 2,97%) e desceu nos empréstimos acima de 1 milhão de euros (de 2,40% para 2,37%).

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários