Taxa de juro no crédito à habitação cai para 1,017%

Considerando a totalidade dos contratos, o valor da prestação vencida manteve-se nos 246 euros.

A taxa de juro implícita no conjunto de contratos de crédito à habitação fixou-se em 1,017% em novembro, caindo 2,1 pontos base ao registado no mês anterior, afirma o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 18 de dezembro. Também  nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro desceu de 1,134% para 1,086%.

Por sua vez, o capital médio em dívida aumentou 195 euros, totalizando 53.426 euros. Já a prestação média vencida manteve-se em 246 euros, garante o gabinete estatístico.

“Para o destino de financiamento ‘Aquisição de Habitação’, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos desceu para 1,040% (-2,1 pontos base face a outubro)”, sustenta o INE. Também nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro com esse destino de financiamento diminuiu 5,8 pontos base em novembro, passando de 1,120% para 1,062%.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor da prestação vencida manteve-se nos 246 euros. Deste valor, 45 euros, o que representa 18%, correspondem ao pagamento de juros, enquanto os restantes 201 euros (82%) correspondem ao capital amortizado.

Em novembro, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 195 euros face ao mês anterior, fixando-se nos 53.426 euros. Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida fixou-se em 102.130 euros, menos 1.078 euros do que no mês de outubro.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários