Taxa de desemprego na zona Euro no nível mais baixo dos últimos sete anos

A taxa de desemprego da Zona Euro caiu em outubro para o nível mais baixo desde julho de 2009, o que indicia uma recuperação económica da área da moeda única.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Eurostat informou esta quinta-feira que a taxa de desemprego caiu para 9,8% face a 9,9% em setembro, mês cujos dados sofreram uma revisão em baixa face à estimativa inicial de 10,0%.

De acordo com o instituto de estatísticas da Zona Euro, entre os estados-membros da União Europeia, a taxa de desemprego mais baixa foi registada na República Checa (3,8%) e na Alemanha (4,1%). Em sentido contrário, a Grécia foi o país que teve a taxa de desemprego mais elevada com 23,4% (dados de agosto), seguido pela Espanha que registou uma taxa de desemprego de 19,2%. Em Portugal, o desemprego em outubro situou-se nos 10,8%. A queda do desemprego foi liderada por França e Itália.

A taxa de desemprego da Zona Euro atingiu um pico de 12,1% entre abril e junho de 2013, altura em que a região regressou ao crescimento.

No que diz respeito à União Europeia, a taxa de desemprego no último mês de Outubro fixou-se nos 8,3%, o que corresponde ao valor mais baixo desde Fevereiro de 2009.

A queda da taxa de desemprego é um bom sinal para as perspetivas de crescimento da Zona Euro que, ainda assim, regista o dobro da taxa dos EUA.

 

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários