Taxa diretora mantém-se. BCE corta na taxa de depósito

O Banco Central Europeu anunciou esta quinta-feira que irá manter a taxa de referência 0,050%, mas voltou a cortar a taxa a que são remunerados os depósitos dos bancos junto da instituição.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Banco Central Europeu anunciou esta quinta-feira que irá manter a taxa de referência 0,050%, mas voltou a cortar a taxa a que são remunerados os depósitos dos bancos junto da instituição.

“Na reunião de hoje, o Conselho do BCE decidiu que a taxa de juro aplicável à facilidade permanente de depósito será reduzida em 10 pontos base, passando para -0,30%, com efeitos a partir de 9 de dezembro de 2015”, assinala a instituição em comunicado.

O mercado já antecipava o corte no valor da taxa de depósito, em particular alguns bancos de investimento, segundo fontes do mercado.

“A taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e a taxa de juro aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez permanecerão inalteradas em 0.05% e 0.30%, respectivamente”, acrescenta o BCE. Mantém-se no nível mais baixo de sempre.

Estas medidas foram anunciadas momentos antes da conferência de imprensa de Mario Draghi em que anunciou as conclusões da última reunião do ano do conselho de governadores do Banco Central Europeu.

OJE

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.