Taxa de juro na habitação diminuiu e prestação média estabilizou em outubro

A taxa de juro dos contratos de crédito à habitação passou de 1,047% em setembro para 1,038% em outubro, e a prestação média vencida foi 237 euros.

Cristina Bernardo

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação passou de 1,047% em setembro para 1,038% em outubro, e a prestação média vencida para a globalidade dos contratos foi 237 euros, valor idêntico ao observado no mês anterior, revelou hoje o INE.

Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro implícita foi 1,960% (2,009% no mês anterior). No financiamento para aquisição de habitação, o mais relevante no crédito à habitação, a taxa de juro implícita no conjunto de contratos fixou-se em 1,052% (1,060% em setembro). Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, a taxa de juro passou de 1,987% em setembro para 1,941% em outubro.

Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação foi 298 euros (307 euros em setembro). O montante de capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação diminuiu 31 euros em outubro, para 51.638 euros. Nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o montante médio do capital em dívida foi de 85.818 euros (87.176 euros em setembro).

Recomendadas

Taxas Euribor sobem a três e a seis meses e caem a 12 meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, avançou hoje para 2,406%, mais 0,001 pontos, depois de ter subido em 29 de novembro para 2,442%, um novo máximo desde janeiro de 2009.

Supervisor do BCE insta bancos a prepararem-se para “impactos adversos” (com áudio)

O presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, instou hoje os bancos da zona euro a preparem-se para “impactos adversos”, admitindo uma “possível recessão” devido à vulnerável situação económica, exacerbada pela crise energética.

Premium“É um desastre” o Governo abrir a porta ao resgate dos PPR

A medida que permite que as famílias resgatem os PPR sem penalização até ao final de 2023 “é exatamente o contrário do que o Governo deveria fazer”, defende o CEO da Ageas Portugal, frisando a necessidade de se promover a poupança através da criação de medidas fiscais.
Comentários