Taxa municipal rendeu 55 milhões desde que foi criada

Em três anos, proprietários de Lisboa contribuíram com mais de 50 milhões de euros para os cofres da autarquia lisboeta. Tribunal Constitucional chumbou agora a taxa municipal de proteção civil de Lisboa.

Cristina Bernardo

No ano passado, a taxa municipal de proteção civil de Lisboa (TMPC) rendeu 21,6 milhões de euros à custa dos proprietários lisboetas. No total, deste que foi criada em 2014, rendeu aos cofres da autarquia liderada por Fernando Medina 55 milhões de euros.

O valor anual da taxa é de 0,0375 % do valor patrimonial tributário para todos os imóveis mas sobe para 0,3% no que diz respeito aos prédios degradados e 0,6% no caso dos prédios devolutos ou em ruína.

Em 2014, a taxa rendeu 18,9 milhões de euros; no ano seguinte, esta taxa rendeu 14,5 milhões de euros à autarquia e no ano seguinte, a verba referente a esta taxa resultou numa receita de 21,6 milhões de euros

No pedido de fiscalização de constitucionalidade das regras desta taxa, antigo Provedor de Justiça, José de Faria e Costa, considera que “a TMPC confunde-se, quase por ponto, com o IMI, havendo boas razões para dizer-se, sem nenhuma franja de exagero hermenêutico, que a pretendida tributação sobre os serviços de protecção civil representa, na verdade, um simples adicional do imposto municipal sobre imóveis”.

Para José de Faria e Costa, sendo um imposto, a TMPC tem de levar a chancela da Assembleia da República. “Entende o Provedor de Justiça que as mencionadas determinações são organicamente inconstitucionais, por violação da reserva relativa de competência legislativa da Assembleia da República”, argumentou então no pedido de fiscalização.

O provedor apontou ainda para uma “intolerável desproporção entre aquilo que a autarquia local cobra a título de TMPC e as prestações que ela garante no âmbito da actividade em questão: no seu núcleo essencial, a protecção civil resume-se ao exercício genérico de poderes de polícia, envolvendo serviços de interesse difuso que já são devidamente custeados pela participação financeira dos proprietários de imóveis, em cumprimento de um dever fundamental de cidadania”.

 

Relacionadas

Do desafio de Cristas ao lamento do PSD: As reações dos partidos ao chumbo da Taxa Municipal de Proteção Civil

Cristas quer devolução com verbas de “outras áreas”. Moura considera que “não foi uma surpresa” para o PCP. Leal Coelho lamenta que Medina não tenha “dado ouvidos” ao PSD. Robles diz que “esta decisão do Tribunal Constitucional dá razão ao BE”, embora o BE tenha inviabilizado a revogação da TMPC na semana passada.

Respostas Rápidas: O que é a Taxa Municipal de Proteção Civil?

O Tribunal Constitucional acaba de reprovar a Taxa Municipal de Proteção Civil que estava a ser cobrada desde 2015 pela Câmara Municipal de Lisboa, declarando a sua inconstitucionalidade. Mas em que consiste essa taxa? Como é calculado o seu valor? A quem é se aplica?

Dinheiro da Taxa de Proteção Civil vai ser devolvido, anuncia Medina

“Vamos acatar a decisão do Tribunal Constitucional”, anunciou o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Verba, de mais de 50 milhões de euros, vai ser devolvida aos lisboetas a partir de janeiro de 2018.

Ex-Provedor considerou taxa de proteção civil de Lisboa um imposto

O Tribunal Constitucional considerou inconstitucional Taxa Municipal de Proteção Civil em Lisboa, após um pedido de fiscalização efectuado pelo anterior Provedor de Justiça, José de Faria Costa.

Tribunal Constitucional confirma chumbo da Taxa Municipal de Proteção Civil em Lisboa

O Tribunal Constitucional considerou inconstitucional Taxa Municipal de Proteção Civil em Lisboa, após um pedido de fiscalização efectuado pelo anterior Provedor de Justiça, José de Faria Costa.
Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários