Taxas Euribor a descer a seis e nove meses e inalterada a três e 12 meses

A taxa Euribor desceu hoje a seis e nove meses e manteve-se inalterada a três e 12 meses em relação a sexta-feira. A Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje 0,001 pontos percentuais para 0,176%, o atual mínimo histórico, registado pela primeira vez a 3 de dezembro. […]

A taxa Euribor desceu hoje a seis e nove meses e manteve-se inalterada a três e 12 meses em relação a sexta-feira.

A Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje 0,001 pontos percentuais para 0,176%, o atual mínimo histórico, registado pela primeira vez a 3 de dezembro.

A nove meses, a Euribor caiu 0,002 pontos percentuais, ao ser fixada a 0,252%, contra 0,254% na sexta-feira e depois de ter descido até ao mínimo de sempre, de 0,249%, a 02 de outubro.

No prazo de três meses, a Euribor manteve-se inalterada, ao voltar a ser fixada em 0,081%.

A Euribor a 12 meses também se manteve inalterada, ao ser fixada de novo em 0,329%, depois de ter caído até ao mínimo histórico, de 0,328%, pela primeira vez a 03 de dezembro.

OJE/Lusa

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.