Taxas Euribor a descer em todos os prazos, a seis meses para novo mínimo

A taxa Euribor desceu hoje a três, seis, nove e 12 meses em relação a segunda-feira, a seis meses para um novo mínimo de sempre. A Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje 0,002 pontos percentuais para 0,174%, um novo mínimo histórico. A nove meses, a Euribor […]

A taxa Euribor desceu hoje a três, seis, nove e 12 meses em relação a segunda-feira, a seis meses para um novo mínimo de sempre.

A Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje 0,002 pontos percentuais para 0,174%, um novo mínimo histórico.

A nove meses, a Euribor caiu 0,003 pontos percentuais, ao ser fixada em 0,249%, atual mínimo de sempre, registado pela primeira vez a 02 de outubro.

A Euribor a 12 meses também desceu, para 0,328%, menos 0,001 pontos do que na véspera e atual mínimo histórico, verificado pela primeira vez a 03 de dezembro.

No prazo de três meses, a Euribor caiu para 0,079%, menos 0,002 pontos percentuais do que na segunda-feira e depois de ter descido até ao mínimo de 0,078% a 13 de novembro.

OJE/Lusa

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.