Taxas Euribor caem a três e a seis e sobem a 12 meses

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu esta segunda-feira para -0,339%, menos 0,009 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

Konstantin Chernichkin/Reuters

As taxas Euribor desceram esta segunda-feira a três e a seis meses e subiram a 12 meses em relação a sexta-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, desceu hoje para -0,339%, menos 0,009 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

A Euribor a três meses recuou para -0,399%, menos 0,011 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, também registado em 03 de setembro.

Em sentido inverso, no prazo de 12 meses, a taxa Euribor subiu, ao ser fixada em -0,250%, mais 0,003 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.
Comentários