Taxas Euribor mantêm-se a 3 e 9 meses, sobem a 6 e caem para novo mínimo a 12 meses

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três e nove meses, subiram a seis meses e desceram para um novo mínimo a 12 meses em relação a sexta-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em -0,329%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, subiu hoje, ao ser fixada em -0,271, mais 0,001 pontos do que na sessão anterior e contra -0,276%, atual mínimo de sempre, registado pela primeira vez em 30 de outubro.

A nove meses, a Euribor voltou hoje a ser fixada em -0,224%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,224%, registado pela primeira vez em 27 de outubro.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, desceu hoje para -0,194%, novo mínimo de sempre e menos 0,001 pontos do que na sexta-feira.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Relacionadas

Prestação da casa vai descer? Sim, se tiver crédito à habitação indexado à Euribor a seis meses

Os clientes com crédito à habitação indexado à Euribor a seis meses vão voltar a pagar menos em dezembro e os com crédito à habitação a três meses vão manter o valor da prestação.
Recomendadas

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.
Comentários