PremiumTdC alerta Açores para deterioração das contas públicas

Tribunal de Contas destaca que só nos dois últimos anos a dívida pública da região aumentou em 572 milhões de euros.

Tribunal de Contas destaca que só nos dois últimos anos a dívida pública da região aumentou em 572 milhões de euros.

O Tribunal de Contas (TdC) alerta para a necessidade de a Região Autónoma dos Açores ponderar, de uma forma estrutural, a situação do défice e da dívida pública. E sinaliza que continua a deteriorar-se as condições de sustentabilidade das finanças públicas regionais, dando conta de que o saldo orçamental manteve a posição deficitária que ocupa, pelo menos, desde 2009, o que indicia uma situação de “desequilíbrio estrutural” que, diz, “antecede em muito a crise pandémica e que está na origem da trajetória de crescimento contínuo exibida pela dívida pública regional”. Só nos dois últimos anos a dívida aumentou 572 milhões de euros. Segundo o TdC, a melhoria das condições de sustentabilidade da dívida pública regional continua a constituir o principal desafio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumNovo embargo à Rússia com impacto no preço do gasóleo na bomba

Um quarto do gasóleo consumido na Europa continua a vir da Rússia, mas a partir de 5 de fevereiro entra em vigor novo embargo. Analistas apontam que preços na bomba estão em risco de sofrer aumentos.

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
Comentários