PremiumTecnologia. Realidade aumentada está cada vez menos virtual em Portugal

De acordo com um estudo da União Europeia, a realidade aumentada terá um valor de mercado estimado em 34 mil milhões de euros em 2020. A criação de emprego na Europa pode chegar perto de meio milhão de postos de trabalho. Portugal é um dos países referidos no documento pelo seu potencial, contando já com 75 empresas a trabalhar com esse tipo de tecnologia aplicada a vários setores de atividade.

A tecnologia 5G veio revolucionar a maneira como os dispositivos são pensados e as grandes empresas já estão a desenvolver projetos de realidade aumentada para 2020: Apple, Microsoft, Google, Amazon e até Facebook estão na linha da frente. Um dos projetos mais esperados para o próximo ano são os “Apple Glasses”. Estes óculos vão funcionar em conjunto com o iPhone e prometem revolucionar a maneira como lidamos com a comunicação. Emails, mensagens, chamadas de vídeo ou jogos serão reproduzidos através das lentes – no campo de visão do utilizador.

Em Portugal, tanto a realidade virtual como a realidade aumentada parecem estar a ganhar cada vez mais notoriedade, e a procura por pessoal especializado tem aumentado. “Neste momento são mais de 75 empresas com practice de realidade virtual e aumentada em Portugal, um número bastante grande, sobretudo tendo em conta a dimensão do nosso mercado. Estas empresas vão de estúdios com duas ou três pessoas, passando por empresas como a NextReality – onde trabalho com uma equipa que tem quase 10 anos de experiência nesta área – até à Siemens, cujo responsável global de RV/RA está em Portugal. O nosso país começa a ser referenciado para investimentos nesta área e essa é uma oportunidade para ganhar desenvolvimento económico alavancado no emprego e nas competências do nosso mercado”, diz Luís Martins, head of Marketing da IT People Innovation, ao Jornal Económico.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumO poder transformador das histórias

Os prémios literários existem para consagrar um autor ou para colocar aqueles que pretendem navegar o mar da escrita no radar dos leitores.

Premium“Atirar a matar” não é título de filme é ordem de presidente

“Atirar a matar” soa a título de filme de ação e de fracas credenciais.

PremiumMário Soares: “Democracia e liberdade são as palavras que mais aparecem, como um mote, um mantra”

Os muitos escritos deixados por Mário Soares, entre os quais se contam as cartas inéditas que figuram nesta edição do Et Cetera, permitem-nos construir uma imagem mais completa e mais complexa do antigo Presidente da República.
Comentários