Tecnologias estão a contratar 130

A Reditus e a Carl Zeiss Vision Portugal estão a investir e a contratar emterras lusas. Recursos qualificados estão no radar destas duas empresas.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Os recursos humanos portugueses têm competências, o país proporciona uma excelente relação entre custos de produção e a qualidade de bens e serviços produzidos. E a aposta do investimento de multinacionais no país é prova disso. A Carl Zeiss e a Reditus são apenas dois exemplos dessa tendência. No conjunto e a curto prazo, vão contratar 130 profissionais qualificados. Durante 2016, o número de vagas poderá aumentar em ambos os casos.

Reditus procura uma centena
Nos últimos dois anos, a Reditus investiu fortemente e reforçou a atividade de nearshoring, i.e., prestação de serviços para outros países próximos. Para o efeito, foram desenvolvidas parcerias estratégias nas várias áreas de competência do grupo. Atualmente os serviços de nearshoring da Reditus para empresas de aviação, retail-on-line, consumo, food&beverage e indústria transformadora envolvem cerca de 500 postos de trabalho. “Com base nos projetos em desenvolvimento, a Reditus tem, de momento, mais 100 vagas em aberto” em Lisboa, refere em nota de imprensa. Entre outros perfis, as maiores necessidades são para as funções de team leader e customer advisor. “As pessoas deverão possuir excelente fluência verbal em inglês, francês, espanhol, italiano, alemão ou holandês”, disse fonte da Reditus ao OJE. Durante 2016, o número de colaboradores afetos a projetos de nearshoring deverá duplicar” face aos números atuais. A atividade de nearshoring da Reditus representa mais de 20% do seu turnover consolidado da empresa (25,5 milhões de euros).

Zeiss contrata três dezenas
A Carl Zeiss Portugal anunciou que pretende contratar 30 colaboradores, incluindo operadores de máquinas, recursos para o suporte, qualidade e logística, disse ao OJE Carlos Ramada, diretor geral da Carl Zeiss Vision Portugal, à margem de uma conferência de imprensa, onde apresentou os novos óculos de realidade virtual Zeiss VR One, já disponíveis em Portugal. Como resultado de investimento na ordem dos dois milhões de euros que está a ser feito na fábrica em Palmela, será possível abrir a novas vagas. Carlos Ramada assinala que está a ser discutido, com a casa-mãe, um novo investimento que poderá abrir as portas a contratações adicionais.

Grupo RHmais inaugura contact center em Matosinhos

O grupo RHmais inaugurou um contact center no Centro Empresarial Lionesa. Este projeto representa um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros e pode criar, segundo a empresa, mais 600 novos empregos no distrito do Porto até meados de 2016, metade dos quais já em curso e até final do corrente ano. O contact center RHmais Lionesa dispõe de 590 postos de atendimento, de back office e de formação, implantados em 2500 m2, tendo sido criado para ampliar a capacidade de serviços que o grupo RHmais presta na região do Grande Porto, particularmente para o seu cliente Vodafone. No total, o RHmais prevê poder empregar neste contact center cerca de 1000 colaboradores, contando com os 400 que se encontravam no atual Contact Center no Porto e que foram recolocados em Leça do Balio.

Por Mafalda Monteiro/OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.