Tecnológica Glintt abre empresa nos Açores

A empresa de software e consultoria portuguesa inaugurou a sua nova empresa, Glintt Açores, na Praia da Vitória, na Ilha Terceira. Na cerimónia, o autarca lembrou que a economia da região não pode depender da base das Lajes e o CEO disse que vai recrutar ainda terça-feira.

A Glintt – Global Intelligence Technologies formalizou esta segunda-feira o início das suas operações físicas nos Açores, com a inauguração da sua empresa no concelho da Praia da Vitória, na Ilha Terceira. Com 15 pessoas no local – 12 formandos de um programa regional de retenção de talentos, três colaboradores que transitam de outras áreas da multinacional –, a empresa irá recrutar esta terça-feira a mais dois reforços para a equipa.

A recém-criada Glintt Açores ‘pintou’ de laranja a Rua de Jesus e fixou-se no piso que pertencia à antiga Casa Vitória, uma loja âncora deste concelho da Terceira. Para o autarca da Praia da Vitória, Tibério Faria Dinis, a chegada de uma empresa cotada na Euronext Lisboa significa “o futuro de novos projetos” e a ambição “de algo novo para a Praia da Vitória”. O presidente da câmara acredita que “há mais além da base das Lajes” e que “a economia não pode depender de excessivamente de uma única estrutura”.

O presidente do governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, considera que a abertura deste escritório indica que o Plano de Rentabilização da Terceira – criado para enfrentar o impacto económico e social que a despovoação da base das Lajes teve no local na ilha – está a dar frutos e a aproveitar a “revolução digital”. “Temos uma taxa de apoio de 60% ao investimento privado, a fundo perdido”, enfatizou o governante.

O primeiro contacto deste CEO da Glintt com o cluster tecnológico terceirense Terceira Tech Island surgiu em março, no âmbito de conversações com o executivo açoriano. Automaticamente houve um fator do projeto que lhe despertou especial interesse: “as pessoas”. “Foi o facto de o governo regional ter criado um programa que permite ter quadros qualificados e apoiar a fixação dos mesmos aqui na Praia da Vitória e na Glintt, para que possamos ter condições para trabalharem”, explicou Nuno Vasco Lopes aos meios de comunicação social, na cerimónia de inauguração do novo espaço.

Segundo o empresário, o interesse da holding é investir num projeto em que se coloca as pessoas em primeiro plano, sobretudo quando se trata de uma organização onde a média dos recursos humanos têm 36 anos. “Temos também uma presença já significativa em termos de apoio aos nossos clientes nesta região, hospitais e farmácias locais, portanto, insere-se numa lógica de aproximação”, acrescentou.

De acordo com o diretor executivo da Glintt, o recrutamento irá continuar para o desenvolvimento de software próprio. Aos jornalistas, Nuno Vasco Lopes contou que a multinacional de Tecnologias de Informação (TI) já tinha equipas no terreno, sobretudo nas ilhas de São Miguel e da Terceira, mas o investimento permite dar melhor resposta à grande clientela: unidades hospitalares e farmácias.

Atualmente a tecnológica desenvolve software para cerca de duas centenas de hospitais e 14 mil farmácias, em seis geografias (Portugal, Espanha, Irlanda, Inglaterra, Brasil e Angola), sendo que o peso do setor da saúde no volume de negócios da empresa de TI é atualmente de 75%.

Em fevereiro, em entrevista ao Jornal Económico, a diretora do Healthcare da Glintt já tinha explicado que o objetivo para este ano era criar sistemas que permitissem a recolha e tratamento da informação disponível para prever necessidades e satisfazê-las.

“Olhamos para a tecnologia não como um fim em si mesmo, mas como uma forma de promover melhores cuidados de saúde e maior equidade no acesso aos mesmos, a custos controlados. Usamos a tecnologia para que ela permita que os profissionais e gestores tenham informação em tempo real e possam atuar sobre a mesma de forma preditiva, ou seja, conseguir analisar os dados que têm hoje em dia e que são muitos”, afirmou Filipa Fixe.

*A jornalista viajou até à Ilha Terceira a convite da SDEA

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários