Tecnológicas como Amazon e Intel abalam Wall Street

A bolsa de Nova Iorque arranca a última sessão da semana em baixa. O índice tecnológico Nasdaq caminha para o pior mês desde março de 2020.

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta sexta-feira em terreno negativo, um dia depois de as gigantes tecnológicas Amazon e Apple terem divulgado resultados trimestrais que acabaram por ter reações distintas do mercado, uma vez que a fundada por Jeff Bezos desiludiu o mercado e a dona do iPhone surpreendeu os analistas.

Em Wall Street, o índice industrial Dow Jones perde 0,45% para os 33.762,19 pontos, o financeiro S&P 500 desce 0,77%, para os 4.254,59 pontos, e o tecnológico Nasdaq recua 0,93% para os 12.751,29 ponto, caminhando para o pior mês desde março de 2020. Por sua vez, o Russell 2000 desvaloriza 0,05% para os 1.916,90 pontos.

As ações da Amazon afundam 11,05% para 2.572 dólares, na sequência de a empresa de e-commerce ter registado as primeiras perdas trimestrais desde 2015: o prejuízo nos primeiros três meses deste ano foi de 3,84 mil milhões de dólares (3,65 mil milhões de euros), quando no mesmo período de 2021 havia tido um lucro de 8,1 mil milhões de dólares (7,7 mil milhões de euros).

“A receita de 116,4 mil milhões de dólares [110,6 mil milhões de euros] esteve alinhada com as expectativas de Wall Street. Contudo, a Amazon reportou uma perda surpreendente por ação de 7,56 dólares, enquanto que o mercado esperava um lucro de 8,40 dólares por ação”, referem os analistas da XTB, em research.

A Intel também está com quedas, após a publicação das contas. A fabricante de chips tomba mais de 6% para 43,93 dólares.

Os títulos da Apple estão em contraciclo com uma subida ligeira de 0,22% para 164 dólares. A empresa liderada por Tim Cook reportou um lucro de 25 mil milhões de dólares (24 mil milhões de euros). Ainda assim, o diretor financeiro, Luca Maestri, disse que as restrições da cadeia de abastecimento poderão prejudicar a receita do terceiro trimestre.

“Em grande destaque estão as listadas chinesas em Nova Iorque, com Alibaba, JD.com e  Pinduoduo a serem o rosto do entusiasmo com estímulos chineses e notas de que os Estados Unidos e a China estão em conversações sobre a guerra de propriedade que ameaça retirar empresas chinesas da listagem na bolsa nova-iorquina”, destaca ainda Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, numa nota de mercado.

Nas matérias-primas, o ‘ouro negro’ voltou às subidas, superiores a 1%. O preço do WTI, produzido no Texas, avança 1,30% para os 106,73 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent sobe 1,49% para os 108,86 dólares por barril.

Quanto ao mercado cambial, o euro está a apreciar 0,31% para os 1,0527 dólares, enquanto a libra esterlina sobe 0,74% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,2548 dólares.

Recomendadas

BCP e REN lideram ganhos na bolsa de Lisboa

Em contraste ao PSI, nas bolsas europeias a tendência nas principais praças é de desvalorização das bolsas.

IGCP colocou 1.500 milhões a seis e 12 meses, com juros positivos no prazo mais longo

“Portugal veio ao mercado com duas emissões de dívida de curto prazo, colocou em bilhetes do tesouro a 6 meses 625 milhões de euros e a 12 meses 875 milhões de euros. Face ao último leilão comparável assistimos a uma subida nas taxas”, segundo o Banco Carregosa.

IGCP vai ao mercado levantar até 1.750 milhões em dívida a seis e a 12 meses

O IGCP precisou que as maturidades dos BT hoje leiloados são em 18 de novembro de 2022 (seis meses) e em 19 de maio de 2023 (12 meses).
Comentários