Tecnológicas destacam-se nos testes à semana de trabalho de quatro dias

Feedzai, Doutor Finanças, B6 Software e Manwinwin têm em comum o foco na tecnologia e, consequentemente, a maior necessidade de reter e atrair talento. Para se destacarem perante a concorrência, reduziram a carga horária.

O trabalho de segunda-feira a sexta-feira como era hábito até então está adiado sine die na B6 Software Solutions. A tecnológica de Matosinhos começou a testar o modelo dos quatro dias e meio de trabalho em outubro, reavaliou a decisão em abril e agora garante que está “sem fim à vista”, porque foi bem-sucedida. “Se há coisa que aprendemos com a pandemia foi que aquilo que é verdade hoje pode ser mentira amanhã, por isso mantemos o compromisso de reavaliar o modelo periodicamente, revê-lo sempre que necessário, porém de momento não tem fim à vista”, disse ao Jornal Económico o diretor, Manuel Padilha.

Para o responsável da B6, trata-se de uma distinção face à concorrência. Apesar de no início a parecer que se perdem horas de trabalho perdidas, Manuel Padilha garante que a partir do momento em que se atingir uma “massa crítica”, a preocupação passará a ter que ver com os custos reputacionais de praticar um horário que será já considerado excessivo.

“Há cerca de um século atrás, até à Grande Depressão, seis dias de trabalho eram a normal e cinco dias a novidade. Em poucos anos esses cinco dias de trabalho passaram a ser a norma, e agora são considerados praticamente inevitáveis na maioria dos sectores de atividade. Estou convencido de que o processo não será muito diferente. Tal como aconteceu com a Ford, nos anos 20, será preciso que um grande empregador tome a iniciativa, para que depois outros se sigam”, exemplifica o gestor.

Um grande empregador ou mesmo o Governo, uma vez que foi recentemente viabilizada uma proposta do Livre que prevê a promoção de um estudo e de um programa piloto com algumas empresas sobre a semana de trabalho de quatro dias, aquando da votação na especialidade do Orçamento do Estado para 2022.

No “querido” mês de agosto do ano passado, a Doutor Finanças implementou a semana de quatro dias de trabalho em formato de teste, mas com as mesmas regras: todos os funcionários da fintech podiam ter mais um dia de descanso sem obrigatoriedade de compensação horária ou alterações à remuneração mensal. O “verão quente” acabou logo em setembro, contudo nove meses depois a empresa avançou com a redução da carga horária, para as 32 horas semanais, dando aos colaboradores a hipótese de escolher gozar a manhã de segunda-feira ou a tarde de sexta-feira e nos outros dias úteis trabalharem menos uma hora.

O balanço? Positivo. “Podemos efetivamente assumir que os modelos testados foram bem recebidos pelas nossas pessoas, sendo que o nosso objetivo foi sempre ajudá-las a ter uma vida mais equilibrada, com mais tempo para fazerem aquilo que mais gostam e naturalmente, serem mais felizes. Acreditamos que a produtividade das pessoas em contexto organizacional está muito relacionada com equilíbrio efetivo, com motivação e com bem-estar e muito pouco relacionada com número de horas trabalhadas”, diz Irene Vieira Rua, diretora de Pessoas e Cultura Organizacional da Doutor Finanças. “Estamos, neste momento a analisar as suas vantagens e desvantagens no sentido de verificar a viabilidade da sua repetição e, quem sabe, aplicabilidade por um período mais prolongado de tempo.

Independentemente da análise que se impõe, existe uma certeza inabalável que é o facto de ser nossa convicção ir acrescentando camadas de flexibilidade ao já flexível contexto em que estamos inseridos”, sublinha ao JE.

Na Manwinwin, uma empresa de software em Queluz, a semana de trabalho de quatro dias não significou menos tarefas feitas, embora tenha implicado a criação de mecanismos de maior responsabilização de colaboradores para o trabalho que fazem. “Ficámos todos com 32 horas para fazer o mesmo trabalho que antes fazíamos em 40 horas. Isto obriga-nos, por um lado, a trabalhar melhor, a ter menos distrações, a ser mais produtivos e, por outro, dá-nos mais alegria no trabalho, menos stress e um maior compromisso com a empresa”, assegura ao JE o diretor geral, Rodrigo Seruya Cabral. Quanto à replicação do modelo pelo tecido empresarial português, o diretor da Manwinwin acredita que é “viável” na generalidade das empresas em Portugal. “Na Manwinwin, foi uma consequência natural do ADN. Mas não basta decidir que se vai fazer e depois logo se vê. Por isso, admito que esta decisão não esteja na lista de prioridades da maioria”, adverte.

Para a liderança da Feedzai, é uma prioridade, porque deriva da preocupação com o bem-estar dos talentos e a própria génese da empresa: a inovação. “O nosso ambiente ágil encoraja-nos a experimentar coisas novas e a descobrir todo o nosso potencial. Temos o poder de criar mudanças todos os dias”, reitera fonte oficial da fintech. A medida tem sido instituída em agosto e o feedback dos colaboradores do quarto unicórnio português é “globalmente muito positivo”. Ficará por perceber se os outros sectores da economia seguirão as pisadas pioneiras da tecnologia.

Recomendadas

Misericórdia contrata grupo Gabriel Couto para empreitada de 7,5 milhões

Reabilitação e construção de um empreendimento imobiliário no centro de Lisboa vai permitir a oferta de 32 novos apartamentos de tipologias diversas.

Media Capital passa de prejuízo a lucro de 40,7 milhões no primeiro semestre

A Media Capital passou de prejuízos de 8,4 milhões de euros no primeiro semestre de 2021 a lucros de 40,7 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, anunciou esta quinta-feira a dona da TVI.

Sector das TI pode ganhar 100 mil milhões com as empresas de média dimensão europeias

Hendrik Willenbruch, sócio da Oliver Wyman, diz que as organizações “recorrem cada vez mais a fornecedores externos, especialmente as médias empresas, que consideram mais difícil atrair talento num ambiente de escassez geral de especialistas em recursos” tecnológicos.
Comentários