Televisão absorve 50% do mercado publicitário em Portugal e vai crescer em 2022

A IPG Mediabrands adiantou ainda que “o mercado global publicitário é atualmente 19% maior relativamente ao período pré-covid, prevendo-se um crescimento constante em 2022 de cerca de 12%”.

A televisão absorve 50% do mercado publicitário em Portugal, tendo “uma das maiores quotas na Europa Ocidental” e deverá crescer mais 5% em 2022, de acordo com um estudo da IPG Mediabrands.

Num comunicado, a consultora referiu que “de acordo com os resultados do estudo, as previsões do mercado publicitário em Portugal para 2022 caracterizam-se por uma tendência de crescimento, com destaque para os investimentos em televisão”.

Assim, “representando mais de 50% do mercado publicitário nacional, uma das maiores quotas na Europa Ocidental, prevê-se que os investimentos em televisão continuem a crescer cerca de 5% em 2022 para alcançar níveis superiores à fase pré-covid, de 2019”, lê-se na mesma nota.

“A análise do mercado nacional aponta ainda para um crescimento de 12% no setor ‘out-of-home’ [fora de casa], atingindo aproximadamente 76% da dimensão do mercado pré-covid, com recuperação total prevista até ao final de 2025”, segundo o comunicado.

Além disso, “a IPG Mediabrands prevê ainda uma recuperação moderada da rádio com um aumento de 4%, enquanto os investimentos em imprensa irão continuar a decrescer 4%”, indicou o comunicado.

De acordo com o estudo, este ano “o digital registou uma forte aceleração em Portugal, com um aumento de cerca de 30%, alcançando cerca de 300 milhões de euros em receitas totais e uma quota de mercado de 30%, abaixo da média da Europa Ocidental, superior a 60%”.

A consultora acredita que “o crescimento deverá manter-se forte para 2022, com uma aceleração de 17%, liderado pelo vídeo (22%) e redes sociais (19%), seguidos pelo ‘search’ (17%)”, acrescentando que “prevê que no decorrer dos próximos anos os investimentos em publicidade digital registem um crescimento anual superior a 10%”.

De acordo com o estudo, “o regresso dos anunciantes dos setores de telecomunicações e FMCG (Fast Moving Consumer Goods) deverá impulsionar o crescimento do mercado publicitário em 2022”, sendo que “o setor automóvel, embora importante, mantém-se inibido devido a problemas globais com a cadeia de fornecimento”.

Citada no comunicado, Natália Júlio, diretora da Magna, unidade de ‘intelligence’ do grupo IPG Mediabrands, disse que “em 2021, o mercado publicitário nacional recuperou, acompanhando a tendência do mercado global e da evolução económica. O crescimento da publicidade em televisão assim como do digital mostram um crescimento mais rápido do que o esperado”.

Em termos globais, segundo o estudo “os investimentos globais de publicidade nos media cresceram mais de 22% em 2021, atingindo um recorde histórico de 710 mil milhões de dólares, após um declínio de 2,5% em 2020. Observou-se ainda um investimento adicional publicitário de 126 mil milhões de dólares”.

A IPG Mediabrands adiantou ainda que “o mercado global publicitário é atualmente 19% maior relativamente ao período pré-covid, prevendo-se um crescimento constante em 2022 de cerca de 12%”.

Recomendadas

Aeroporto de Lisboa. “Senhores políticos, simplesmente deixem que as obras avancem”, pede líder da APAVT

Pedro Costa Pereira, presidente da Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo deixou o apelo na abertura do congresso. “Não evitarão a vergonha, que se colou a todos os que contribuíram para a atual situação, mas pelo menos mitigarão as consequências deste processo tão trágico como ridículo”, afirmou.

Turismo. Programa Apoiar será reforçado com 70 milhões de euros a partir de 1 janeiro

A informação foi anunciada pelo novo secretário de Estado do Turismo, Nuno Fazenda, durante o 47.º Congresso da APAVT, no qual deu ainda conta de uma linha de 30 milhões de euros para dar resposta às microempresas para se financiarem no Turismo de Portugal.

Tesla corta turnos na fábrica de Xangai

A entrada das novas contratações da fabricante automóvel para esta unidade de produção na China também foi adiada, segundo a Bloomberg.
Comentários