Tem de chover “com abundância” para salvar Portugal da seca severa, diz especialista

“Estamos a ficar com o clima próximo de Marrocos, da Argélia ou da Tunísia e o Algarve está na linha da frente”, afirma Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, ao “Público”.

Portugal tem visto a sua precipitação anual diminuir, em média, entre 30 e 40 milímetros de a cada 10 anos. A redução da chuva atmosférica, registada entre 1960 e 2010, poderá intensificar-se se “não chover com alguma abundância nos meses de abril e maio”.

A previsão é de Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS). “Estamos a ficar com o clima próximo de Marrocos, da Argélia ou da Tunísia e o Algarve está na linha da frente”, diz ao jornal “Público”. Este especialista em alterações climáticas refere que o clima está a mudar mais no sul.

No último mês do ano passado, 80% do país esteve em seca severa ou extrema, segundo a informação que consta do Relatório de Monitorização Agrometeorológica e Hidrológica. Depois, em janeiro, os bombeiros fizeram 179 operações de abastecimento de água às populações do país, sobretudo em Miranda do Douro (41), Mértola (35), Barcelos (15), Mirandela (12) e Miranda do Corvo (11).

Ao mesmo diário generalista, o professor e investigador Mário de Carvalho, da Universidade de Évora, critica a decisão de combater esta problemática “gastando verbas avultadas na construção de barragens”. “Temos de incluir as alterações climáticas na gestão do nosso território”, alerta.

Relacionadas

Lavar ruas e encher piscinas pode ser proibido temporariamente se a seca agravar  

A situação no país não é ainda grave, como a seca severa de 2017, mas é já “preocupante”.

Falta de chuva e frio provoca quebra de 20% na produção de azeitonas para azeite

A transformação da azeitona para o azeite deve registar uma quebra de 20%, no entanto as áreas de cereais é a que regista o menor valor desde a adesão de Portugal à União Europeia.
Recomendadas

Crise climática deve ser prioridade de todos os governos e organizações multilaterais, diz Guterres (com áudio)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu hoje que a crise climática deve ser prioridade máxima de todos os governos e organizações multilaterais e pediu que as empresas de combustíveis fósseis sejam responsabilizadas pela destruição do planeta.

Novos satélites para prever o clima lançados a partir do final do ano

A Organização Europeia para a Exploração de Satélites Meteorológicos anunciou hoje o lançamento, no final do ano, de uma nova geração que melhorará e acelerará o envio de dados a meteorologistas de toda a Europa sobre acontecimentos climáticos graves.

Situação de seca meteorológica diminuiu significativamente até 15 de setembro

Nos primeiros 15 dias de setembro verificou-se um “desagravamento significativo” da situação de seca meteorológica em todo o território, em especial nos distritos da Guarda, Viseu e Castelo Branco, anunciou hoje o IPMA.
Comentários