Temores de recessão económica afundam Wall Street

Wall Street voltou a fechar em terreno negativo, com uma série de resultados das empresas a evidenciarem que o pessimismo é a forma mais correta de olhar para o horizonte imediato. A Microsoft deu o mote para o que aí pode vir.

Preocupações com a desaceleração económica bem patente nos balanços das empresas e os consequente temores de que uma recessão está a caminho foram as causas, segundo os analistas, para mais um mau dia em Wall Street.

Todos os três principais índices de ações fecharam no vermelho, mas ainda assim um pouco acima dos mínimos da sessão. O índice Nasdaq foi o que mais caiu depois de a Microsoft, a primeira grande empresa de tecnologia a divulgar resultados trimestrais, ter feito acender todas as luzes vermelhas no interior das paredes do mercado mobiliário.

“A desaceleração da economia e do mercado de trabalho está a começar a se materializar-se”, disse Oliver Pursche, da Wealthspire Advisors, citado pela agência Reuters. “Durante a maior parte do ano passado, a grande preocupação foi a inflação e a única maneira de reduzi-la é arrefecer a economia”, acrescentou. “Estamos a fazer isso. É uma progressão natural, mas é enervante para os investidores”.

A fase de resultados do quarto trimestre chegou ao limite, com 95 das empresas do S&P 500 a terem já apresentado previsões dos seus balanços. Desses, 67% têm estimativas de crescimento, bem abaixo da taxa média de crescimento, que é de 76% nos últimos quatro trimestres.

Os analistas preveem agora que os ganhos agregados do S&P 500 caiam 3% ano, quase o dobro da queda de 1,6% observada antes.

O Dow Jones segue a cair para os 33.694,17 pontos, menos 39,79 pontos ou menos 0,12%; o S&P 500 perde para os 4.009,91 pontos, menos 7,04 pontos ou menos 0,18%; e o Nasdaq resvala para os 11.297,99 pontos, menos 36,28 pontos ou menos 0,32%, continuando a ser o índice mais penalizado.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários