Tendências no consumo de energia: Save Money, Save Time, Save the Planet

Ao longo de 2021 e 2022, a EY conduziu um estudo 1) envolvendo 70.000 consumidores de 18 países (2.007 inquiridos em Portugal) para compreender as suas preferências e comportamentos.

Os resultados revelam que os consumidores continuam a fazer mudanças para um estilo de vida mais sustentável, investindo na redução da conta de energia e do seu impacto ambiental. O interesse em energia renovável e na adoção de novas soluções de energia continua também a acelerar.
A maioria dos consumidores procura junto do seu fornecedor de energia um parceiro que o apoie e aconselhe quanto a novas soluções energéticas de uma forma simples e personalizada. Os fornecedores são, desta forma, incentivados a continuar a explorar oportunidades na transição energética e aprimorar o alinhamento com os valores do consumidor. Por forma a tornarem-se parceiros preferenciais nesse aconselhamento, consideramos ser crucial ponderar os seguintes temas:

1. Promover a literacia energética dos consumidores
Apesar de temas relacionados com energia sustentável terem ganho cada vez mais destaque nos media, a literacia energética dos consumidores continua baixa. Quase metade dos consumidores inquiridos em Portugal não compreendem as ações e investimentos que podem fazer para serem mais sustentáveis.
Ao mesmo tempo, 71% dos consumidores revelam que gostariam de recorrer ao seu fornecedor de energia para se aconselharem em relação às ações que podem tomar na sua vida e na sua casa para serem mais sustentáveis. Há, portanto, uma oportunidade significativa para os fornecedores de energia ocuparem um papel central no aconselhamento de confiança aos seus clientes.

2. Contribuir para as motivações dos consumidores “Save Money, Save Time, Save the Planet”
O estudo mostra que os principais motivadores para a aquisição de novos produtos e serviços de energia continuam a ser os valores de poupança de dinheiro, de tempo e do Planeta (“Save Money, Save Time, Save the Planet”). O foco dos interessados em investir em novos produtos e serviços de energia é, em primeiro, a redução dos custos de energia (83%), seguido da redução do consumo (81%), do aumento do controlo sobre a utilização de energia nas suas casas (75%) e redução do impacto no ambiente (72%).
O atual cliente de energia é mais exigente e ativo no mercado do que antes, procurando que os seus fornecedores estejam cada vez mais alinhados com valores de sustentabilidade e responsabilidade social.

3. Apoiar os consumidores a alcançar a independência energética
A maior parte dos consumidores (95% em Portugal, 89% globalmente) está interessada em alguma forma de independência energética, o que tem motivado a adoção de fontes de energia renovável e recursos energéticos distribuídos. Projeta-se um aumento significativo na adoção destas soluções, uma vez que 52% dos inquiridos em Portugal estão seriamente a considerar adquirir painéis solares para as suas casas nos próximos 3 anos (11% já o fizeram).
Para além disso, os consumidores estão a tomar várias medidas para gerir melhor o seu uso de energia. Estima-se que nos próximos três anos, 40% ou mais estarão à procura de soluções para aquecimento solar de água, monitorização inteligente de energia e dispositivos para tornar as suas casas mais eficientes em termos energéticos.
Ainda que no topo das preocupações dos consumidores continuem temas relacionados com o preço/poupança de energia, mais de um terço dos inquiridos (28% em Portugal, 39% globalmente) estão dispostos a pagar mais, com um ligeiro acréscimo face ao ano anterior, por produtos sustentáveis. Especificamente o interesse em recursos de energia distribuídos mantém-se resiliente.
Os consumidores valorizaram soluções económicas e sustentáveis assentes numa experiência do cliente simplificada e digital no seu caminho para a transição energética. Estes e outros resultados do estudo poderão ser consultados no site da EY, em www.ey.com, no artigo: ‘When energy hits home, will providers be left out in the cold?’.

1) EY Energy Transition Consumer Insights

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

O (des)governo dos dados nas organizações

As organizações são fontes de geração e de consumo de dados em larga escala. Esta evolução tem trazido grandes oportunidades, mas também grandes desafios às empresas, nomeadamente no mercado português onde constatamos um “governo desgovernado” dos dados e isso revela-se potencialmente ao nível dos custos financeiros, riscos de conformidade, riscos reputacionais (e.g. fugas de dados, sejam eles pessoais ou de negócio) e até sob a perspetiva da sustentabilidade (ESG) que está hoje, e bem, na ordem do dia (a União Europeia estima que, em 2030, os Data Centers representem 3,2% do consumo total de eletricidade).

Biodiversidade e alterações climáticas – reflexão entre COPs

As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são duas das maiores ameaças que colocam em causa a resiliência dos sistemas socio ecológicos, que sustentam a vida humana. Acresce a este facto, a agravante destas ameaças estarem interligadas.

Operacionalizar compromissos: os ODS nos orçamentos municipais

A crescente relevância do desenvolvimento sustentável no processo de decisão estratégica dos municípios encontra na aprovação dos Orçamentos Municipais de 2023 uma oportunidade para assegurar que os compromissos políticos têm tradução operacional.
Comentários