“Tenho vários defeitos, mas não sou burro ou louco”, diz Marcelo acerca da “fasquia” de Soares

Apesar da sondagem que o aproxima dos 70,35% conseguidos por Mário Soares em 1991, aquando da reeleição para o segundo mandato presidencial, o atual chefe de Estado diz que o fundador do PS é “irrepetível”.

Marcelo Rebelo de Sousa negou ter o objetivo de superar os 70,35% de votos com que Mário Soares foi reeleito Presidente da República em 1991, reduzindo essa ideia a uma “loucura” durante a entrevista que deu à SIC nesta sexta-feira, tendo sido a primeira desde que anunciou que procurará um segundo mandato nas eleições presidenciais marcadas para 24 de janeiro de 2021.

“Tenho vários defeitos, mas não sou burro ou louco”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, a quem a sondagem do ICS/ISCTE publicada nesta sexta-feira pelo “Expresso” atribui 66% de intenções de voto. Um resultado desvalorizado pelo candidato, pois “até ao último dia os portugueses são livres de votar”.

Garantindo que “Soares é irrepetível”, o candidato à reeleição realçou que o estadista falecido em 2017, aos 92 anos, contou com o apoio do PSD, “que nessa altura valia cerca de 50%”, e do PS, “que tinha 20%”, acrescentando outro factor que considera decisivo: “Nessa altura não havia pandemia”.

Tratam-se, em sua opinião, de motivos que impossibilitam a ultrapassagem da fasquia de maior votação em termos de percentagem obtida por um Presidente da República. “Qualquer pessoa percebe isto. Não é preciso ser um génio”, sentenciou.

Relacionadas
Marcelo Rebelo de Sousa à saída do Infarmed

PR afasta responsabilidade sobre falta de vacinas da gripe e aponta dois objetivos para levantamento do estado de emergência

Marcelo Rebelo de Sousa escudou-se nas palavras da ministra da Saúde, que garantiu que haveria vacinas disponíveis para quem a quisesse tomar, mas voltou a afirmar que assume a responsabilidade pelos erros na gestão da pandemia.

Marcelo Rebelo de Sousa admite dar posse a um governo com apoio parlamentar do Chega

“O partido está ilegalizado? Não está”, justificou o candidato a ser reeleito Presidente da República.

Presidente da República reconhece limitações do Tribunal de Contas para auditar Novo Banco

O PR esclareceu que se referia à auditoria da Deloitte quando apoiou o primeiro-ministro na intenção de apenas desbloquear as verbas para o Novo Banco quando fossem conhecidos estes resultados, uma matéria que gerou alguma mal-estar dentro do Governo, sobretudo junto do então ministro das Finanças, Mário Centeno.
Recomendadas

Ricardo Leão: “Falta, acima de tudo, comunicação e coordenação no Governo”. Veja o “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista a Ricardo Leão, presidente da Câmara Municipal de Loures eleito pelo PS.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Presidente do PS pede ao Governo apurado sentido de orientação e maior rigor nas condutas

Este aviso foi transmitido por Carlos César através de uma mensagem vídeo na sessão do PS evocativa dos sete anos de governos socialistas liderados por António Costa, que decorre na estação fluvial do Terreiro do Paço.
Comentários