PremiumTentativa de recuperar mil milhões de euros arrisca-se a ser “mais um prego no caixão”

Representante da Ordem dos Economistas na Madeira diz que litigância e desaparecimento de empresas dificultam exigência de Bruxelas.

A Zona Franca caminha sobre gelo fino. Por um lado vê-se confrontada com a necessidade de recuperar mil milhões de euros de ajudas ilegais invocadas pelas instâncias europeias e por outro procura criar estabilidade para atrair mais investidores. E para atingir este delicado equilíbrio a tarefa está a mostrar-se difícil.

O presidente da delegação da Madeira da Ordem dos Economistas, Paulo Pereira, diz ao Económico Madeira ter dúvidas sobre a capacidade de as autoridades tributárias recuperarem a totalidade das “ajudas ilegais”.

No entanto, a investigação das instâncias europeias coloca, no entender de Paulo Pereira, “mais um prego” no caixão da Zona Franca, pela instabilidade e dúvidas que causa aos investidores. “Quem procura a praça financeira para fazer investimentos, tendo em conta as concessões fiscais e a competitividade fiscal, aquilo que mais procura é a estabilidade fiscal e o máximo de certezas”, diz.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 10 de dezembro.

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários