Tentativas de fraudes a clientes da EDP Comercial aumentam mais de 230% em outubro

“No último mês, o número de casos de fraudes (ou tentativas) a clientes da EDPC disparou mais de 230%, face à média dos meses anteriores”, disse à Lusa fonte oficial da empresa, a quem foram reportados cerca de 200 casos em outubro, face a 120 registados no total do primeiro semestre.

A EDP Comercial alertou hoje que as tentativas de fraude a clientes, em que o nome da empresa é usado para cobrar dívidas inexistentes, aumentaram mais de 230% em outubro, face à média dos meses anteriores.

“No último mês, o número de casos de fraudes (ou tentativas) a clientes da EDPC disparou mais de 230%, face à média dos meses anteriores”, disse à Lusa fonte oficial da empresa, a quem foram reportados cerca de 200 casos em outubro, face a 120 registados no total do primeiro semestre.

Já no Portal da Queixa foram identificadas mais de 1.000 reclamações relativamente a tentativas de fraude onde “é utilizado indevidamente o nome da EDP Comercial para tentar que os clientes da empresa paguem alegadas dívidas que, na verdade, não têm”, explicou a mesma fonte.

“Estas tentativas de fraude têm-se sofisticado, quer pela adulteração de faturas em papel, quer pelo ajuste do texto das mensagens de telemóvel (SMS). Mais recentemente, detetámos também que conseguiram mascarar o nome de quem envia aquele SMS para, alegadamente, parecer da EDP”, apontou a empresa.

Relativamente às faturas em papel, têm sido detetados, segundo a elétrica, “casos em que há envelopes desviados e abertos, adicionando-se uma última página na fatura, com uma alegada dívida e uma referência multibanco para pagamento”.

Para evitar ser vítima de fraude, a empresa aconselha os clientes a que verifiquem a veracidade da informação recebida, confirmando se a entidade enviada nos dados para pagamento é utilizada pela empresa.

Já no que diz respeito aos SMS, foram detetados “vários números diferentes a praticar esta ilegalidade”, sendo possível que, em alguns aparelhos, os números surjam com o nome “EDPC”.

“Para tentar minimizar o número de clientes que é envolvido neste esquema, a EDP Comercial está a enviar mensagens de segurança a alguns grupos de clientes que podem estar mais vulneráveis”, vincou a empresa, lembrando ainda que “não assina os SMS como EDP ou EDP Comercial”, mas sim como “EDPC”.

A empresa disse que não tem informação sobre o número total de casos de tentativa de fraude, uma que vez que só consegue ter conhecimento dos que são reportados pelos clientes, podendo até dar-se o caso de haver clientes que pagam sem se aperceberem de que é burla.

A empresa alertou também que as entidades de pagamento que utiliza são 20174 ou 23013, para clientes residenciais, e 12223 e 21196, para clientes empresariais.

Adicionalmente, a empresa assinalou ainda que “não utiliza dados pessoais dos clientes nos contactos com os mesmos”, nem “pede dados bancários aos clientes nos contactos com os mesmos”.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários