“Teoria de quem é mais tolo”. Bill Gates critica criptomoedas e NFTs

 “Não tenho nenhum investimento. Gosto de investir em coisas que geram valor”, disse Bill Gates sobre as criptomoedas.

Bill Gates

O criador da Microsoft Bill Gates reiterou a sua posição negativa em relação aos NFTs, argumentando que os token não fungíveis baseiam-se a 100% “na teoria de quem é mais tolo”. Na mesma ocasião, Gates também criticou as criptomoedas.

“Obviamente, imagens digitais de caras de macacos vão melhorar imensamente o mundo”, referiu Gates, citado pela “Bloomberg”, relativamente ao projeto de criptomoedas, durante uma conferência sobre o clima em Barkley, Califórnia.

“Não tenho nenhum investimento. Gosto de investir em coisas que geram valor. O valor de empresas é baseado em como elas fazem ótimos produtos. O valor de cripto é somente o que outra pessoa está disposta a pagar por aquilo, então não adiciona nada para a sociedade”, acrescentou Gates.

Esta não é a primeira vez que Bill Gates criticou as criptomoedas. No início do ano, disse estar preocupado que as pessoas estivessem a ser “sugadas” pela alta do bitcoin e alertou: “Se tem menos dinheiro que o Elon [Musk], provavelmente deveria ter cuidado com as Bitcoin”.

As coleções populares de NFT sofreram um grande impacto devido à queda contínua do Bitcoin. A criptomoeda mais valiosa do mundo caiu mais de 15% na segunda-feira e depois 5,4% novamente na terça-feira.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários